1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Adidas compra Reebok e corre atrás da Nike

Empresa alemã adquire concorrente norte-americana por três bilhões de euros e fortalece sua posição em relação à Nike no mercado mundial de artigos esportivos.

default

Meta da empresa é obter maior fatia do mercado norte-americano


A Adidas, maior fabricante de artigos esportivos da Europa, anunciou nesta quarta-feira (03/08) a compra do pacote de ações de sua concorrente norte-americana Reebok que ainda restava em mãos de terceiros. O preço oferecido foi de 59 dólares por ação, 34,2% superior à cotação registrada no fechamento da bolsa na terça-feira. O valor total do negócio, segundo a Adidas, chega a 3,1 bilhões de euros.

A transação ainda precisa ser aprovada pelos acionistas da Reebok e pelas autoridades antitruste, o que, segundo previsões das duas empresas, deve ocorrer até o primeiro semestre de 2006.

Negócio estratégico

Com a compra, a Adidas marca pontos na disputa com a Nike pelo lucrativo mercado norte-americano. "Teremos uma presença nunca antes vista no mercado. A Reebok é forte em todas as modalidades esportivas nos Estados Unidos. A Adidas marca forte presença, sobretudo no futebol, na Copa do Mundo e outros torneios da Fifa, nos Jogos Olímpicos e na Liga dos Campeões da Europa", disse o presidente da empresa, Herbert Hainer.

Segundo Hainer, a Adidas pretende concentrar-se na produção de roupas e calçados esportivos. Após engolir a concorrente, o grupo alemão deterá cerca de 20% do mercado de calçados esportivos dos EUA, o dobro do que controla hoje. "A Reebok complementa de forma ideal nossa estratégia", argumentou.

Ao encalço da Nike

Com um faturamento de aproximadamente nove bilhões de euros atingido após a anunciada compra, o grupo alemão aproxima-se da Nike, líder mundial do setor com um faturamento de onze bilhões de euros. Analistas calculam que a Adidas e a Reebok juntas controlam cerca de 20% do mercado mundial de artigos esportivos, enquanto a Nike detém uma fatia de 30%. A marca Reebok será mantida após a fusão.

Aumento dos lucros

De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira, no segundo trimestre de 2005, a Adidas aumentou em 8,2% seu faturamento, que passou de 1,4 para 1,5 bilhão de euros. O lucro foi de 67 milhões de euros, 52% superior aos 44 milhões de euros do mesmo período no ano passado. A previsão de lucro anual é de 375 milhões de euros, o que significaria um aumento de 20% em relação a 2004.

Apesar de os dados do balanço terem superado as expectativas dos analistas, o mercado financeiro reagiu com ceticismo à compra da Reebok. As ações da Adidas chegaram a cair 3% na Bolsa de Frankfurt no início desta quarta-feira, mas se recuperaram ao longo do dia, fechando com uma valorização de 10,27% . "Estamos céticos, porque a compra visa apenas uma complementação regional nos EUA e esperamos poucos feitos sinergéticos", disse o analista Jörg Frey, do Banco Oppenheim.

A Adidas-Salomon (nome oficial) anunciou em maio a venda da subsidiária Salomon, responsável pelos produtos para inverno, à finlandesa Amer Sports. A partir do ano que vem, a empresa voltará a se chamar Adidas AG.

Leia mais