1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futurando!

Adesão do Brasil ao maior consórcio astronômico mundial gera expectativas

Apesar de controvérsia sobre alto valor a ser pago para acessar Observatório Europeu do Sul, grande parte dos astrônomos brasileiros consideram projeto fundamental para o avanço da ciência no país.

Se o Congresso Nacional aprovar, o Brasil será o primeiro país não europeu a integrar o Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês). A adesão ao maior consórcio de pesquisa astronômica mundial, que reúne 15 países, daria aos cientistas brasileiros acesso aos telescópios mais avançados do mundo. Enquanto alguns astrônomos acreditam que a parceria seja fundamental para fortalecer a ciência, outros entendem que o valor é alto demais.

"Sou radicalmente contra. Não cabe subsidiar a ciência europeia com dinheiro do contribuinte brasileiro", defende o professor João Steiner, do Departamento de Astronomia da Universidade de São Paulo (USP). "A adesão do Brasil custará 255 milhões de euros em dez anos, e depois teremos que continuar a pagar anuidades pesadas, pois é tudo proporcional ao PIB", conclui.

O ESO é a principal organização intergovernamental em astronomia na Europa e é considerado o observatório astronômico mais produtivo do mundo. Possui telescópios de última geração instalados no Chile (apesar de o país não ser membro do consórcio, tem direito de usar os equipamentos por ter cedido o território). A sede do ESO está localizada em Garching, na Alemanha. A participação brasileira no consórcio já teve aprovação dos ministérios da Ciência e Tecnologia e das Relações Exteriores. O gabinete da presidente Dilma Rousseff encaminhou o projeto ao Congresso Nacional, onde está sob análise.

Galerie Weltuntergang Maya Kalender 2012 Schwarzes Loch

Buraco negro fotografado por supertelescópios do ESO

Vozes favoráveis

"Sozinho, o Brasil faria muito menos. É praticamente impossível fazer ciência como país isolado. É preferível ter uma parcela de um grande instrumento (telescópio) a ter apenas para si um instrumento menor", defende Jacques Lepine, que também é professor do Departamento de Astronomia da USP.

O Brasil já participa de dois consórcios internacionais, o Gemini e o SOAR. O Gemini foi criado em 1993, com a intenção de operar dois telescópios de 8 metros de diâmetro, no Havaí e no Chile. Pelo diâmetro, os espelhos do telescópio conseguem absorver uma gigantesca quantidade de luz, e com isso geram imagens mais nítidas do espaço. Em 1996, o Consórcio SOAR foi criado para construir e operar um telescópio de 4 metros no Chile.

"Apoio a ideia integralmente. A comunidade astronômica brasileira possui qualidade e astrônomos em quantidade suficiente para fazer um bom uso do ESO", acredita o astrônomo Luiz Paulo Ribeiro Vaz, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Para ele, o Brasil já possui cientistas e técnicos de expressão internacional em várias áreas, e o consórcio possibilitará avanços para as possibilidades observacionais dos astrônomos brasileiros.

"A adesão do Brasil ao ESO será benéfica para a comunidade astronômica brasileira e para o país", acredita Patrícia Feigueiró Spinelli, astrônoma e pesquisadora do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). No entanto, ela acredita que é preciso justificar ao cidadão o dinheiro investido. "A adesão ao ESO deve vir acompanhada de ações de divulgação e popularização da astronomia."

Considerada uma das cientistas mais influentes da astrofísica brasileira, Beatriz Barbuy, também da USP, acredita que ao entrar no ESO o Brasil terá futuro na astronomia mundial. "Caso contrário, ficaremos com pequenos projetos aqui e acolá, desordenadamente, e com esforços gigantescos para obter cada um deles", defende.

Screenshot Futurando 34 Superteleskop

Complexo no deserto do Atacama abriga o observatório ótico mais avançado do mundo

Área em ascensão

Ao todo, existem no Brasil 290 astrônomos com doutorado, contratados em diversas instituições. O país forma cerca de 35 mestres e 20 doutores por ano. São 19 programas de pós-graduação que oferecem mestrado ou doutorado em astronomia. A maior parte é vinculada à área da Física.

"A procura aumentou. Só neste ano houve 14 candidatos por vaga no curso, mais que a grande maioria dos cursos da USP", conta Lepine.

Segundo ele, a Sociedade Astronômica Brasileira reúne 663 pesquisadores (mestres e doutores de universidades de todo o país). Especialistas consideram o momento bastante favorável à astronomia brasileira. A USP, o Observatório Nacional no Rio de Janeiro e as universidades federais de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul estão entre os principais centros de pesquisa do país.

Steiner comenta que a astronomia brasileira viveu um boom entre 1970 e 2000, período em que cresceu a uma média de 11% ao ano. "Depois veio uma estagnação, entre 2000 e 2008, quando expandiu apenas 1% ao ano. Hoje voltamos a crescer, graças aos telescópios Gemini e SOAR", analisa.

A última grande descoberta da astronomia foi a expansão acelerada do universo, que garantiu o Prêmio Nobel da Física em 2011 aos americanos Saul Permutter e Adam Riess e ao australiano-americano Brian Schmidt.

"O número de planetas descobertos também vem crescendo. Sempre se pensa em encontrar um planeta parecido com o nosso, com a mesma massa e temperatura", diz o professor Eduardo Cypriano, da USP.

Grupos amadores

Um dos fenômenos comuns nesta área de estudo é proporcionar o acesso de leigos ao tema. "A astronomia é ímpar nesse sentido. Raramente vai se ouvir falar de grupo amador de Física, Biologia, Química ou de Filosofia. Mas é muito comum encontrar grupos amadores de Astronomia", observa Cypriano.

Para ele, esta é uma ciência que desperta muito a atenção das pessoas e propicia o aparecimento desses grupos. "O observador amador contribui para a popularização e divulgação da ciência", analisa o professor.