1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Acusações de vôos secretos da CIA na Europa tomam contorno

Alemanha aguarda resultado das investigações antes de pedir esclarecimentos aos EUA. Holanda e Hungria confirmam pousos em seus territórios. Europeus querem averiguar denúncias através de satélites.

default

Base dos EUA na Romênia teria sido usada como prisão de suspeitos de terrorismo

A ministra alemã da Justiça, Brigitte Zypries, disse nesta sexta-feira (25/11) que a Alemanha vai aguardar os resultados das investigações européias sobre as acusações de pousos e decolagens de vôos da Central de Inteligência Americana (CIA) supostamente levando pessoas acusadas de terrorismo.

"Esperamos que os Estados Unidos tomem uma posição", ressaltou Zypries. A oposição, no entanto, exibe maiores explicações. Os liberais ameaçam inclusive levar a acusação à Comissão de Relações Exteriores do Parlamento.

Segundo o jornal Berliner Zeitung, entre 2002 e 2004 a base aérea norte-americana de Frankfurt foi o principal ponto de passagem dos vôos secretos da CIA na Europa. Na edição desta sexta-feira, o diário escreve que observadores do tráfego aéreo teriam registrado, nestes dois anos, 85 pousos e decolagens da CIA em Frankfurt.

"Escândalo político"

Renate Künast für Frauengalerie

Renate Künast

Também na edição desta sexta-feira, o diário Handelsblatt informa que um alto funcionário do serviço secreto norte-americano confirmou os pousos em diversos países europeus, entre os quais também a Alemanha, sem que os governos estivessem informados.

Renate Künast, líder da bancada dos verdes no Bundestag, exigiu um rápido esclarecimento das acusações. "Não pode haver transportes secretos de prisioneiros em plena Alemanha", reclama Künast em entrevista ao jornal Die Welt. Para Gert Weisskirchen, social-democrata especializado em política externa, o assunto "beira um escândalo político".

Satélites para ajudar na investigação

O secretário-geral do Conselho da Europa (entidade não vinculada à União Européia), Terry Davis, pediu aos 46 países-membros da organização que entreguem um relatório sobre eventuais movimentações da CIA em seu território até 21 de fevereiro de 2006.

Davis pediu também a colaboração da União Européia, das Nações Unidas e da Otan para esclarecer as acusações sobre prisões secretas da CIA na Europa.

Transporte de prisioneiros

Gebäude des Europäischen Parlaments

Parlamento Europeu, em Estrasburgo

O deputado suíço Dick Marty, que coordena a investigação no Parlamento Europeu, acredita que deve terminar seu relatório já em janeiro próximo. Para isso, espera contar com o apoio do Centro de Satélites da União Européia, na Espanha, e da Organização Européia para a Segurança do Tráfego Aéreo (Eurocontrol).

Marty pretende coletar informações sobre 31 vôos da CIA, que, segundo denúncias da organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch, teriam transportado prisioneiros.

Através das fotos de satélite devem ser averiguadas as denúncias da mesma ONG de que duas bases militares, localizadas na Polônia e na Romênia, teriam sido usadas como prisões. A liberação destas imagens, no entanto, depende de aprovação do Conselho de Ministros da Europa.

Guantánamo no Leste europeu ?

O jornal norte-americano Washington Post havia publicado que a CIA manteve membros da organização terrorista Al-Qaeda em oito prisões secretas no exterior, inclusive no Leste europeu. Os Estados Unidos não confirmaram nem desmentiram a publicação.

Alvaro Gil Robles, comissário de Direitos Humanos do Conselho da Europa, falou ao jornal francês Le Monde sobre a existência, em Kosovo, de uma prisão semelhante à de Guantánamo. Ele teria observado "cenas chocantes" em 2002, na base norte-americana de Camp Bondsteel.

Hungria, Holanda e Portugal

A Hungria confirmou na noite da quinta-feira (24/11) que dois aviões da CIA pousaram em seu território, em agosto de 2003 e outubro de 2005. Os vôos teriam sido anunciados, declarou uma porta-voz do governo. Também a Holanda confirmou a aterrissagem, em 17 de novembro último, em Amsterdã, de uma aeronave "com alta probabilidade de estar a serviço da CIA".

Também o governo português está tentando esclarecer rumores sobre o pouso de vôos da CIA em seu território. O ministro do Exterior, Diogo Freitas do Amaral, confirmou nesta sexta-feira que foram pedidas explicações aos EUA. O jornal Diário de Notícias havia publicado que 34 aviões que pousaram secretamente no país nos últimos três anos poderiam estar cumprindo missão da CIA.

Leia mais