Acusações de assédio sexual expõem lado obscuro de Hollywood | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 12.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Acusações de assédio sexual expõem lado obscuro de Hollywood

Cada vez mais mulheres vêm a público para denunciar comportamento abusivo do influente produtor Harvey Weinstein. Segundo denunciantes, caso é apenas a ponta do iceberg e todos sabiam o que ele fazia.

Harvey Weinstein é um dos mais conhecidos e influentes produtores da indústria cinematográfica em Hollywood

Harvey Weinstein é um dos mais conhecidos e influentes produtores da indústria cinematográfica em Hollywood

O escândalo de acusações de assédio sexual contra o produtor de cinema Harvey Weinstein, um dos mais conhecidos e influentes de Hollywood, ganhou proporções ainda maiores nesta quarta-feira (11/10) após o surgimento de novas denúncias por parte de atrizes e ex-funcionárias de sua empresa.

O caso expõe um comportamento que, segundo as denunciantes, há décadas vitima mulheres na indústria cinematográfica sem o devido debate público. As revelações sobre Weinstein são apenas "a ponta do iceberg", afirmou o diretor e ator Rob Schneider ao site TMZ.

No dia 5 de outubro, o jornal The New York Times publicou uma reportagem sobre uma série de abusos cometidos pelo produtor, com base em depoimentos anônimos de ex-funcionárias de Weinstein e da atriz Ashley Judd. "Mulheres conversam entre si sobre Harvey há muito tempo, já passou da hora de termos essa conversa publicamente", afirmou a atriz.

Desde então, denúncias de assédio sexual contra ele não param de surgir. As acusações fizeram com que o produtor fosse demitido da empresa da qual era fundador, a Weinstein Company. Elas remontam à década de 1990, época em que ele estava à frente da produtora Miramax, inicialmente independente e depois comprada pela Walt Disney Company.

Repúdio da indústria cinematográfica

Weinstein de 65 anos, nega as acusações. A Weinstein Company afirma que não tinha conhecimento da má conduta de seu fundador. Mas, de acordo com outra reportagem do New York Times publicada nesta quarta-feira, a empresa, no mínimo desde 2015, estava ciente do pagamento de acordos extrajudiciais com três ou quatro mulheres envolvendo acusações de abusos sexuais.

Segundo o jornal nova-iorquino, os advogados de Weinstein fecharam acordos extrajudiciais com ao menos oito mulheres, entre elas a atriz Rose McGowan e a modelo Ambra Battilana Gutierrez.

"Reconheço que a maneira como me comportei com colegas no passado causou muita dor e me desculpo sinceramente por isso", disse Weinstein em comunicado. "Apesar de tentar melhorar, sei que ainda tenho um longo caminho a percorrer", disse, sem se referir diretamente a nenhuma das acusações.

A atrizes Angelina Jolie (esq.) e Gwyneth Paltrow estão entre as que denunciaram os abusos de Weinstein

A atrizes Angelina Jolie (esq.) e Gwyneth Paltrow estão entre as que denunciaram os abusos de Weinstein

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood e o Festival de Cannes se manifestaram publicamente, repudiando o comportamento abusivo de Weinstein. No Reino Unido, a Academia Britânica de Artes de Cinema e Televisão (Bafta) afirmou que decidiu suspender de imediato a afiliação do americano.

A Academia de Hollywood, organizadora da maior premiação do cinema mundial, o Oscar, anunciou que realizará uma reunião especial para discutir as alegações e avaliar medidas punitivas ao produtor. Nos últimos anos, a Academia premiou 81 produções de Weinstein pela Miramax e pela Weinstein Company. Em 1999, ele ganhou o Oscar pelo filme Shakespeare apaixonado.

"Todos sabiam o que ele fazia"

Na terça-feira, a revista New Yorker, após investigar o caso durante dez meses, publicou novas denúncias por parte de 13 mulheres, incluindo três acusações de estupro feitas pelas atrizes Asia Argento, Lucia Evans e uma jovem que preferiu se manter anônima.

No mesmo artigo, as atrizes Mira Sorvino, Emma de Caunes, Rosanna Arquette, Jessica Barth e a ex-funcionária da Weinstein Company Emily Nestor relataram agressões sexuais por parte de Harvey.

A atriz francesa Léa Seydoux escreveu no jornal britânico The Guardian que que o produtor usava o poder que tinha para exigir favores sexuais. "Todos sabiam o que ele fazia, e ninguém fez coisa alguma."

As revelações abriram o caminho para que outras mulheres falassem abertamente sobre episódios semelhantes envolvendo o produtor. As atrizes Gwyneth Paltrow, Angelina Jolie, Judith Godrèche e Katherine Kendall afirmaram ao New York Times terem sido abordadas por Weinstein nos anos 1990. Muitas mulheres temiam denunciar publicamente o poderoso produtor hollywoodiano com receio de que ele pudesse arruinar suas carreiras.

A esposa de Weinstein, Georgina Chapman, afirmou à revista People que vai deixar o marido, com quem tem dois filhos. Weinstein declarou o o jornal New York Post que está profundamente arrasado. "Perdi milha esposa e meus filhos, a quem amo mais do que qualquer coisa", disse Weinstein. "Espero que um dia possamos nos reconciliar."

RC/rtr/afp/lusa

Leia mais