Acordos econômicos no centro de visita de Obama ao Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Acordos econômicos no centro de visita de Obama ao Brasil

Barack Obama inicia sua primeira visita oficial à América Latina com o objetivo de consolidar parceria com o Brasil. Presidente brasileira defende fim de barreiras comerciais e reforma de organismos internacionais.

default

Barack Obama (e) cumprimenta Dilma Rousseff

O presidente estadunidense, Barack Obama, chegou ao Palácio do Planalto, em Brasília, neste sábado (19/03), por volta das 10 da manhã, hora local. Recebido com honras militares pela chefe de Estado brasileira, Dilma Rousseff, ele passou em revista a guarda presidencial e acompanhou a execução dos hinos nacionais dos dois países.

Ao receber Obama, Dilma estava acompanhada do ministro brasileiro de Relações Exteriores, Antônio Patriota. A primeira-dama americana, Michelle Obama, chegou à sede da presidência da República em carro diferente, já que mantém agenda própria durante a viagem. No Salão Nobre do Palácio do Planalto, os dois governantes cumprimentaram autoridades brasileiras, como Antônio Palocci, ministro-chefe da Casa Civil, e Aloizio Mercadante, ministro de Ciência e Tecnologia.

Foco na economia

Dilma Rousseff mostrou preocupação com a criação de relações comerciais mais justas e equilibradas. "Para nós, é fundamental que sejam rompidas as barreiras que se erguem contra nossos produtos: etanol, carne bovina, algodão, suco de laranja e aço, por exemplo", alertou Dilma.

Outra preocupação do governo brasileiro é a lentidão das reformas das instituições multilaterais, dando destaque para a ampliação do Conselho de Segurança da ONU. Sem referência à aspiração brasileira a uma vaga permanente neste, Obama disse que "os Estados Unidos vão continuar a trabalhar com o Brasil e com outros países nas reformas para tornar o Conselho de Segurança um órgão mais efetivo, mais eficiente e mais representativo".

A expectativa do governo norte-americano é que a visita marque a abertura de uma nova fase nas negociações entre os dois países. Os Estados Unidos vêem o crescimento da parcela da população brasileira pertencente à classe média como uma oportunidade de ampliar o comércio bilateral, que hoje chega a cerca de 80 bilhões de dólares.

Emprego e energia

Em declaração conjunta à imprensa, Barack Obama e Dilma Rousseff destacaram as posições de seus países sobre a parceria econômica. Obama disse que "os Estados Unidos não só reconhecem o crescimento do Brasil, mas o apoiam com entusiasmo". Segundo ele, esta visita representa uma "oportunidade histórica para a construção de um caminho de cooperação crescente" para as próximas décadas.

Em seu discurso, Obama enfatizou a criação de emprego nos dois países como conseqüência da expansão do comércio e de investimento mútuo. Dilma destacou as áreas de educação e inovação como centrais nessa parceria. "O Brasil está na fronteira tecnológica em algumas importantes áreas como a genética, biotecnologia, fontes renováveis de energia e exploração do petróleo em áreas profundas", afirmou.

A recente descoberta de grandes reservas de petróleo, denominadas de pré-sal, poderá levar o Brasil à posição de grande importância no mercado mundial de energia, e os EUA estão interessados nesse processo. "O Brasil quer ser um fornecedor de energia estável, e os Estados Unidos querem ser um cliente para esse serviço", disse Obama.

Líbia e Rio de Janeiro

Parcerias na área de infraestrutura também foram discutidas. Com a aproximação de dois grandes eventos esportivos no país – a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 – os Estados Unidos apostam na participação de suas empresas nesse processo.

Paralelamente à agenda política, Barack Obama também vai acompanhar o encontro de presidentes de 18 das maiores empresas do Brasil e dos Estados Unidos, no 4º Fórum de CEOs Brasil-Estados Unidos.

O pronunciamento do presidente norte-americano à imprensa aconteceu momentos depois de a França anunciar sua presença no espaço aéreo líbio. Obama disse que o povo da Líbia deve ser protegido e agradeceu o apoio do Brasil por ter condenado os abusos de direitos humanos no país africano, sem mencionar a abstenção brasileira durante a votação da resolução do Conselho de Segurança da ONU, aprovada na quinta-feira.

Barack Obama chegou na noite do sábado à cidade do Rio de Janeiro. O plano inicial previa um grande "discurso ao povo brasileiro", ao ar livre, na Cinelândia, no centro da metrópole. Entretanto, segundo a embaixada dos EUA no Brasil, preocupações com a segurança do local fizeram com que o discurso fosse transferido para o Theatro Municipal, que suporta um público de cerca de 2 mil pessoas.

A comitiva presidencial deixa o Rio de Janeiro em direção ao Chile na manhã da segunda-feira.

Autora: Ericka de Sá
Revisão: Augusto Valente

Leia mais