1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Acordo deve incluir direito de Israel de existir"

Netanyahu condena entendimento sobre a questão nuclear e diz que não se pode confiar num regime que "pede abertamente a destruição de Israel". Presidente iraniano promete honrar acerto com potências.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu nesta sexta-feira (03/04) que qualquer

acordo

definitivo sobre o programa nuclear do Irã inclua o reconhecimento à existência de Israel como Estado por parte de Teerã.

"O Irã é um regime que pede abertamente a destruição de Israel e trabalha aberta e ativamente com este fim", afirmou Netanyahu. Ele acredita que o regime iraniano não merece confiança do Ocidente.

Depois de 12 anos de negociações, as potências mundiais chegaram a um acordo capaz de frear o controverso programa nuclear iraniano. Um tratado final deve ser elaborado até o fim de junho e vai contemplar o fim das sanções ao regime dos aiatolás.

Netanyahu disse que todo seu gabinete de segurança "se opõe veementemente" ao acordo. Segundo ele, o pacto é insuficiente para eliminar o risco de que Teerã tenha uma bomba atômica – da qual Israel teme que venha a ser o primeiro alvo.

"Israel exige que o acordo final com o Irã inclua um compromisso claro e sem ambiguidade sobre o direito de Israel de existir", afirmou Netanyahu. "Há uma terceira alternativa: aumentar a pressão sobre o Irã até que se consiga um acordo melhor."

Na quinta-feira, o ministro israelense da Economia, Naftali Bennett, sugeriu indiretamente que o acordo é comparável ao entendimento firmado entre o premiê britânico Neville Chamberlain e Adolf Hitler antes da Segunda Guerra Mundial.

"O regime de terror islâmico mais radical do mundo recebe um selo kosher oficial para o seu programa nuclear ilegal", disse Bennett, membro do partido de direita Casa Judaica.

Hassan Rohani iranischer Präsident

O presidente iraniano, Hassan Rouhani: "Se fizemos uma promessa, vamos agir com base nela"

Teerã: "Depende também do outro lado"

Um dia após o fim das reuniões em Lausanne, o presidente iraniano, Hassan Rohani, disse que vai honrar o acordo nuclear preliminar, desde que as potências mundiais se atenham à sua parte da negociação.

"Se nós fizemos uma promessa, vamos agir com base nessa promessa. É claro que isso depende do outro lado tomar medidas sobre as suas promessas também", afirmou, em discurso televisionado à nação.

Segundo ele, as potências mundiais precisam aceitar agora que o Irã enriqueça urânio em seu próprio solo, algo que viam antes como uma ameaça à região.

O pacto prevê que o programa de enriquecimento de urânio seja limitado e supervisionado internacionalmente por um período de até 25 anos. Além disso, estabelece o envio ao exterior ou a dissolução de 95% do urânio já produzido no Irã e o levantamento das sanções econômicas que pesam sobre o país.

RPR/rtr/efe

Leia mais