1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Acordo bilionário com russos poderá tirar Grécia do sufoco

Segundo site alemão "Spiegel Online", Moscou pode adiantar até 5 bilhões de euros a Atenas em acordo envolvendo gasoduto que passará por território grego. Enquanto isso, seguem negociações com credores europeus.

O site alemão de notícias Spiegel Online noticia que já na próxima terça-feira (21/04) Atenas deverá assinar um acordo energético com a Rússia, o qual poderá render até 5 bilhões de euros para os cofres gregos, atualmente vazios. Trata-se do adiantamento para um negócio envolvendo a construção de um gasoduto que transportará combustível russo a países europeus através da Turquia e Grécia, afirma o veículo alemão.

A edição deste sábado do semanário grego Agora confirma que a Grécia está contando com esse acordo com Moscou: "O governo espera receber esses recursos rapidamente do Kremlin. Com isso, as negociações com os parceiros europeus poderão ser adiadas até junho."

Desde fevereiro, o governo grego mantém negociações tensas com representantes europeus e do Fundo Monetário Internacional (FMI) pela liberação de mais crédito ao país. Apesar de o programa de resgate ter sido estendido até junho, como Atenas não cumpriu as condições impostas os credores suspenderam o pagamento de 7,2 bilhões de euros. Em troca dos recursos, eles exigem a implantação de duras reformas.

O acordo com os russos "poderá mudar a maré para a Grécia", afirmou um alto funcionário do partido de esquerda Syriza, no poder em Atenas. Ainda segundo o esquerdista, que estaria lidando diretamente com o processo, o acordo foi discutido há dez dias com o presidente russo, Vladimir Putin, durante visita a Moscou do primeiro-ministro grego, Alex Tsipras, e de seu ministro de Energia, Panagiotis Lafazanis.

A verba a ser liberada pelo Kremlin é um adiantamento das taxas que a Grécia cobrará pelo transporte do gás russo. Está prevista para 2019 a entrada em funcionamento do gasoduto, que não foi aprovado pela União Europeia.

Grécia e credores prosseguem conversas

Neste sábado, o Grupo de Bruxelas – formado pela Grécia, UE, Banco Central Europeu (BCE) e FMI – encontra-se em Paris para discutir o programa de resgate para Atenas e as reformas necessárias à liberação das verbas.

O Mecanismo de Estabilidade Europeia (MEE) também participará das negociações. Ele é responsável pela emissão de títulos e outros instrumentos de débito nos mercados financeiros, a fim de levantar capital de ajuda aos Estados-membros.

Uma fonte europeia afirmou à agência de notícias AFP que o problema "não é falta de diálogo, mas sim de trabalho técnico". "Faltam números no processo, tabelas detalhadas", comentou.

Na próxima sexta-feira, ministros de Finanças da zona do euro se reunirão em Riga para tentar avançar nas conversas. A Grécia espera receber 7,2 bilhões de euros para evitar a bancarrota e poder saldar suas dívidas junto ao FMI e ao BCE.

No entanto, o ministro alemão de Finanças, Wolfgang Schäuble, parte do princípio de que não se alcançará um acordo rapidamente. "Não há nada novo e estou certo de que não haverá nada novo na semana que vem em Riga", afirmou na sexta-feira, antes de um encontro com o FMI.

Berlim, um dos maiores credores gregos, tem pressionado Atenas a implantar medidas de austeridade e outras mudanças como condição para oferecer mais crédito ao país endividado.

Obama cobra reformas

Nesta sexta-feira, em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu que a Grécia, assim como outros países da zona do euro em dificuldades econômicas, disponha de certa flexibilidade para impulsionar a demanda e dar esperança à população.

No entanto, ressaltou, o país em crise precisa tomar "decisões duras". "A Grécia precisa iniciar reformas, coletar impostos, reduzir a burocracia. Eles precisam ter práticas trabalhistas mais flexíveis", instou o chefe de Estado americano.

MSB/afp/ap/rtr/dpa

Leia mais