Acontece em Berlim maior passeata contra energia nuclear dos últimos anos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.09.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Acontece em Berlim maior passeata contra energia nuclear dos últimos anos

Segundo pesquisa encomendada pelo Greenpeace, 59% da população da Alemanha quer o fim das usinas termonucleares do país até 2020. Na capital, milhares de manifestantes exigem fechamento de depósito de lixo atômico.

default

Não faltou energia criativa na manifestação em Berlim

Neste sábado (05/09), aconteceu em Berlim a maior passeata contra a energia termonuclear dos últimos anos. Os organizadores do protesto registraram 50 mil participantes, enquanto a polícia estimou a presença de 36 mil. O movimento contou com o apoio do Departamento alemão do Meio Ambiente (UBA).

Sob o slogan "agora desliguem mesmo", ativistas e políticos exigiram o "fechamento de todas as usinas nucleares em todo o mundo". Contudo, uma das metas mais imediatas dos manifestantes é o fim do depósito de lixo atômico de Gorleben. Já pela manhã, cerca de 350 tratores daquela região dirigiram-se ao Portão de Brandemburgo, em Berlim. Manifestantes de toda a Alemanha chegaram à capital em trens especiais e ônibus.

Anti-Atomkraft-Demonstration in Berlin am 5. September 2009

'Desligar de vez'

Centenas de bandeiras ondulavam na cidade com o slogan dos anos 1980: "Energia nuclear? Não, obrigado". Muitos trajavam fantasias verdes e amarelas, simbolizando os contêineres de lixo atômico. A organização ambientalista Greenpeace participou da ação coletiva com um cavalo de Troia de sete metros de altura.

Ao lado de membros de organizações ambientais e de agrupamentos de esquerda, políticos alemães de destaque estiveram presentes, entre os quais o vice-presidente do Bundestag, Wolfgang Thierse, do Partido Social Democrata (SPD); a presidente do Partido Verde, Claudia Roth, e seus correligionários Renate Künast, Jürgen Trittin e Fritz Kühn.

População contra o átomo

Segundo pesquisa de opinião realizada pelo Greenpeace, 59% da população da Alemanha rejeita a manutenção das usinas atômicas do país, proposta pelos partidos conservadores cristãos (CDU/CSU), da chanceler federal Angela Merkel, e pelos liberal-democratas (FDP). O governo anterior, formado por verdes e social-democratas, estipulara o fechamento gradual das unidades até 2020.

BdT Bundesweiter Atomprotest hier in Berlin gegen Atomkraft

Vista aérea da passeata

Essa opinião contrária à energia atômica é partilhada até mesmo por 50% dos eleitores da CDU/CSU e por 49% do FDP. Sobretudo os mais jovens – 71% dos colegiais entrevistados – defendem o abandono da energia nuclear no prazo previsto.

"O voto da população é claro, e cada futuro governo federal será julgado por sua capacidade de pôr em prática o desejo dos cidadãos – ou de servir como capanga da indústria atômica", advertiu Mathias Edler, especialista em energia nuclear da Greenpeace.

Segundo ele, a prorrogação ou o não do funcionamento das usinas é decisivo para a expansão das energias renováveis e as chances da proteção do clima. O Greenpeace exige que a Alemanha abandone a energia termonuclear até 2015.

AV/dpa/afp
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais