1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Acesso online a arquivo criado pelos nazistas

Em 1943, fotógrafos alemães receberam dos nazistas a incumbência de registrar o interior de igrejas, mosteiros e castelos. Até o fim da guerra, foram feitas mais de 40 mil fotos.

default

Pintura no Castelo Charlottenburg, em Berlim: destruída durante a guerra e registrada pelos nazistas

Não se sabe se a ordem vinha do próprio Hitler ou de seu ministro da Propaganda, Joseph Goebbels. Fato é que, enquanto as forças aliadas bombardeavam a Alemanha, os nazistas enviaram vários fotógrafos para todo o território alemão de então – da Áustria à Polônia e Rússia de hoje, com o objetivo de registrar detalhes do interior de igrejas, mosteiros e castelos. A determinadas regiões, os alemães já não podiam mais chegar, como à Alsácia (França hoje), por exemplo.

Obras destruídas depois

Da coleção de mais de 40 mil fotos fazem parte fotografias de esculturas, altares, móveis, afrescos ou detalhes de pintura sacra em tetos e paredes. Todas feitas por fotógrafos contratados pelo Terceiro Reich para documentar as obras ameaçadas pela guerra.

Estima-se que 60% das 480 igrejas e castelos registrados então ou não existem mais ou foram reconstruídos de forma completamente diversa da anterior.

Freies Bildformat: Dresden Zwinger Mathematisch-Physikalischer Salon

Palácio Zwinger, em Dresden: pintura de Louis de Silvestre

"Os custos foram certamente de milhões", estima em entrevista ao diário Süddeutche Zeitung Ralf Peters, do Instituto Central de História da Arte, de Munique, responsável pelo projeto de digitalização de todo o material e criação de um banco de dados na internet, que pode ser acessado a partir do próximo 21 de outubro.

Os diapositivos (slides) foram guardados por todos estes anos em depósitos especiais em Freiburg, Mainz e Tübingen, até serem enviados ao Instituto em Munique e ao Arquivo de Imagens de Marburg.

Muitos envolvidos

A opção pelo uso de cromos se deu porque a empresa Agfa, que fornecia o material fotográfico aos nazistas, não conseguia mais produzir a quantidade necessária de papel necessária para ampliações.

Não apenas fotógrafos profissionais, mas também professores universitários, laboratoristas e historiadores da arte participaram do projeto dos nazistas. Outras empresas como a Ufa ou a Rex-Film também estiveram envolvidas.

A partir de 21 de outubro, o material que pertence ao Arquivo Fotográfico em Diapositivos: Pinturas de Teto e Parede – 1943-1945 poderá ser visto na internet. Os registros não cobrem, porém, todos os monumentos do país de forma sistemática. A ordem dos nazistas era se concentrar nas fotografias de igrejas e castelos que estavam mais expostos ao perigo de destruição.

Dresden Hofkirche Nepomukkapelle - Deckenbild

Pintura de Franz Karl Palko: igreja em Dresden

Especialistas não crêem que a visão dos originais possa inspirar hoje uma avalanche de "reconstruções" nas edificações alemãs. "Nestas fotografias, às vezes se vê um canto, uma parte de uma obra, mas quase nunca um panorama completo. E a iluminação, principalmente nas primeiras fotos, era feita com luz muito direta, apresentando pontos negros", observa Peters em entrevista ao Süddeutsche Zeitung.

Leia mais

Links externos