1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Acerto de contas de Schröder chega mais cedo às lojas

Em polêmico livro de memórias, o ex-chanceler federal alemão critica a falta de liderança da atual premiê e acusa sindicatos de armarem sua queda.

default

Capa de 'Decisões - Minha Vida na Política'

O lançamento da autobiografia de Schröder estava marcado para o sábado, mas foi antecipado para a quinta-feira (26/10) já que, antes mesmo de chegar às livrarias, o livro estava gerando polêmica e críticas. Em suas 544 páginas, Decisões – Minha Vida na Política traz uma revisão da carreira pública do ex-chanceler alemão Gerhard Schröder e críticas a sua sucessora Angela Merkel.

Em trechos pré-publicados na revista alemã Der Spiegel e no tablóide Bild, jornal de maior circulação no país, Schröder disse que a resistência dos sindicatos ao seu programa de reformas Agenda 2010 ajudaram a arruinar sua campanha pela reeleição em 2005. De acordo com o ex-chanceler, o presidente da Confederação dos Sindicatos Alemães (DGB), Michael Sommer, organizou uma trama para "derrubá-lo do poder".

Sommer não demorou a retrucar. "Gerhard Schröder deveria se dar conta do fato de que perdeu as eleições com suas políticas," disse. "É por isso que ele não é mais chanceler."

Bundeskanzlerin Angela Merkel

Merkel é alvo de críticas

A União Democrata Cristã (CDU), partido ao qual pertence Merkel, qualificou o livro como "arrogante". Já o porta-voz da grande coalizão, Ulrich Wilhem, considera que "o debate está aberto". Quanto à opinião de Schröder de que "Merkel é uma chefe de Estado fraca", a mesma prefere calar-se pois "seu papel não é opinar sobre seus antecessores", acrescenta Wilhem.

O governador do Estado de Baden-Württemberg, Günter Oettinger (CDU), mostrou-se ressentido: "A crítica é errada e também baixa da parte dele", declarou. "Estamos fartos de seu estilo autoritário e que não produziu resultado algum."

Derrota ainda não digerida?

Outros democratas-cristãos não tardaram em alardear que os ataques de Schröder contra a chanceler, assim como a sindicalistas, são resultado de sua ainda "não digerida frustração pela perda das últimas eleições, cujos resultados o tiraram da chancelaria federal".

Duras réplicas que Kurt Beck, presidente do Partido Social Democrata (SPD), não aceita. Para ele, o livro autobiográfico de Schröder se destaca por sua "objetividade e sobriedade", de forma que "ninguém pode se sentir ofendido". Beck considera infundado o argumento de que as críticas de Schröder "sobrecarregam a coalisão".

Gerhard Schröder bei George Bush in Washington

Decisão mais popular foi se opor à guerra no Iraque

Política interna à parte, é provável que, devido à difundida oposição na Alemanha à guerra no Iraque, a passagem mais popular do livro venha a ser aquela em que Schröder critica a religiosidade do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Pode ser que, no futuro, a decisão de Schröder de não apoiar a guerra no Iraque se torne o aspecto mais bem visto de seu legado político.

Imprensa comenta

O livro do ex-chanceler está causando furor também na mídia alemã. Para o diário Kieler Nachrichten, "muito disso é trivial, as reflexões pessoais de um homem envelhecido e com dificuldades em lidar com a perda do poder."

O Westfälischer Anzeiger viu "um homem de poder, que já era completamente vaidoso durante seu tempo na chancelaria federal, derramando algumas lucrativas lágrimas sobre uma pretendida melhor época. O livro pode ser informativo e divertido, mas não há razão para se ter raiva ou condoer-se ao longo da leitura."

O Neue Presse, de Hanover, traçou um paralelo entre a memória fraca de Schröder e sua saída do governo. "Ele está certamente autorizado a acertar algumas velhas contas. Mas, se ele tivesse algo sábio a dizer sobre o futuro da Alemanha, ele ainda estaria no poder." O Neue Osnabrüker Zeitung concorda: " Schröder caiu por causa de suas próprias falhas e pelo que deixou de fazer. Ele desperdiçou anos com políticas pragmáticas, mas sem direção alguma".

Schröder escreveu suas memórias em menos de um ano, tempo recorde para um ex-chanceler. Mas, embora seja consenso que o livro tenha mais enfurecido que esclarecido, Schröder não terá motivos para se aborrecer . Segundo a livraria virtual Amazon.de, seu livro já ocupa o topo da lista da venda antecipada.

Leia mais