1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Aberta em Colônia primeira feira para comércio de emissões

Um novo tipo de comércio está começando: compra e venda de certificados de emissões, em prol do clima. Organizada pela Feira de Colônia e o Banco Mundial, realiza-se de 9 a 11 de junho a primeira Carbon Expo.

default

Usina a carvão em Gelsenkirchen - indústria, aviões e automóveis causam danos ao clima

Embora grande parte das catástrofes climáticas que The Day After Tomorrow mostra na tela dos cinemas não deva acontecer tão cedo, o filme é uma advertência contra as conseqüências da mudança climática global.

Na atmosfera terrestre, há alguns séculos vêm se juntando cada vez mais gases que provocam o efeito estufa. Principalmente o dióxido de carbono, o gás emitido por automóveis, aviões e usinas onde se queimam combustíveis fósseis. Isso causa cada vez mais secas, tempestades e elevação do nível dos mares.

Como funciona o negócio com a poluição

Com o Protocolo de Kyoto, 122 países se comprometeram a produzir futuramente menos gases poluentes. Isso pode ser feito no próprio país, reduzindo-se as emissões, ou então apoiando com financiamento e tecnologia projetos de proteção ao clima em outros países. Com a criação da Carbon Expo, a Feira de Colônia quer oferecer a primeira plataforma para esses projetos, como expõe seu diretor, Jochen Witt, à Deutsche Welle:

"Na Carbon Expo, uma série de governos e empresas vão apresentar projetos bem-sucedidos de redução de emissões e procurar interessados para novos projetos. O Protocolo de Kyoto permite que essa transferência de tecnologia seja recompensada com certificados de emissão que a Europa poderá descontar [de sua cota de redução ]. Nesse sentido, foram convidados países como Chile, Índia, Indonésia, Marrocos, México, Peru, Filipinas, Polônia, Senegal e Uganda."

A matemática da redução de custos e emissões

E o Brasil também, que comparece com representantes do Ministério das Relações Exteriores e da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Para os europeus, vale a pena cooperar com os países em desenvolvimento na proteção do clima. Nestes, os custos para se economizar uma tonelada de CO 2 são de apenas quatro dólares, pois muitas vezes a energia não é utilizada de forma muito eficiente.

Na Europa, pode custar até cem dólares para se economizar uma tonelada de emissões. No Japão, onde há um aproveitamento máximo e muito eficiente da energia, pode custar até 400 dólares, segundo Ken Newcombe. Ele é responsável pelo comércio de emissões no Banco Mundial e considera indispensável uma plataforma como a Carbon Expo:

"Tomemos como exemplo uma firma da Baviera, que nunca fez negócios com países em desenvolvimento até agora, mas que gostaria de comprar certificados de emissão por um bom preço, a fim de cumprir o que lhe corresponde em redução de emissões, da cota da Europa. Como é que essa empresa vai achar um parceiro adequado e como terá a segurança necessária para comprar certificados de projetos, por exemplo, na Tanzânia ou no Brasil?", pergunta Newcombe.

Acesso à tecnologia de fontes renováveis

Facilitar os contatos entre compradores (europeus) e vendedores (emergentes e em desenvolvimento) é o objetivo da Carbon Expo. As vantagens são para ambas as partes: enquanto os países industrializados cumprem seus compromissos de redução das emissões, pagando um custo baixo por isso, os países em desenvolvimento têm acesso a tecnologias como rotores e turbinas de energia eólica, células fotovoltaicas ou motores que economizam energia.

O mercado só está começando. Mas o Instituto Point Carbon calcula que, em 2010, ele poderá atingir um volume de 10 bilhões de dólares. Para o Banco Mundial, a feira em Colônia chega no momento certo. Ken Newcombe:

"Agora é o momento porque um grande número de países industrializados criaram as condições legais para o comércio de emissões. Os europeus já abriram seu mercado para certificados dos países em desenvolvimento, mesmo que o Protocolo de Kyoto não seja ratificado. Ou seja: mesmo que a Rússia não o ratifique e ele não entre em vigor, surgirá um mercado na Europa."

Mercado lucrativo

No ano passado, a tonelada de CO 2 foi negociada a quatro dólares. Os analistas do instituto, porém, calculam que o preço subirá para dez dólares por tonelada, nos próximos seis anos.

Um mercado lucrativo e um bom negócio também para a Feira de Colônia, que conseguiu elaborar o conceito para a Carbon Expo em poucos meses de preparativos. Com a primeira feira do gênero no mundo, a cidade à beira do Reno quer se projetar mundialmente como a plataforma ideal para o comércio de certificados.

O evento dará sua contribuição para não prejudicar o clima. Os gases do efeito estufa que os participantes causarem com suas viagens de avião à cidade alemã serão compensados através de investimentos em projetos de proteção climática. Nada como dar o bom exemplo.

Leia mais