1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

A luta pela democracia

A revolução fracassada dos ucranianos

Dez anos após a "Revolução Laranja", a Ucrânia encontra-se no caminho de volta ao passado soviético. Ainda há salvação? Uma análise da editora-chefe da DW, Ute Schaeffer.

"Juntos, somos muitos, e ninguém poderá nos impedir!" Esse foi o grito disparado por mais de 100 mil vozes, quando a Revolução Laranja parou a Ucrânia. Para os movimentos civis na Tunísia, Egito e Líbia, a revolução ucraniana foi um modelo, para alguns até mesmo um exemplo a ser seguido.

Em 2004, a principal avenida de Kiev, a Kreshatik, esteve totalmente tomada de cartazes na cor laranja. Ônibus de todos os cantos do país chegavam à capital com manifestantes. Seus protestos impediram que a eleição presidencial fosse manipulada.

Um dos grupos de oposição, intitulado "Pora", cujo slogan era "chegou a hora", defendia a liberdade de opinião, a democracia e o combate decisivo da corrupção. Em seus cartazes, lia-se: "o Leste e o Oeste estão juntos" e "lugar de bandido é na cadeia". Nada disso, contudo, foi alcançado. Hoje, quase dez anos depois, não há mais muita gente na Ucrânia disposta a lutar pela democracia. O cansaço se alastrou.

"Heróis laranjas" descumprem promessas

"Estamos decepcionados. Não confiamos mais naquilo que esperamos: melhoras, justiça social e honestidade. Nada mudou, tudo está como antes", fala Natalya, de Kiev. Com quarenta e tantos anos, ela tem certeza de que a elite política foi quem causou o problema. "O peixe começa a apodrecer pela cabeça", diz.

Oleksander, que é do leste do país, também acha que a Ucrânia passa por um período de estagnação. "O povo merece os políticos que elege", completa. Depois da Revolução, seus protagonistas foram, a princípio, eleitos: Viktor Yushchenko, pró-Europa, assumiu a presidência; e Julia Timoshenko, o cargo de premiê.

No entanto, o casamento político dos dois heróis idealizados do movimento de protestos não resistiu aos problemas do dia a dia. "Nenhum dos dois manteve sua palavra", lembra a estudante Hanna.

"Yushchenko falava que tudo iria melhorar essencialmente: do ponto de vista econômico, social e moral. Mas nada disso aconteceu. Os professores nas escolas recebiam na época e recebem ainda hoje mil hryvnias mensais, o que equivale a 100 euros. A tendência negativa em nosso país foi estabelecida com Yushchenko", analisa a estudante. A corrupção se alastrou também entre as supostas novas forças políticas. As reformas continuaram a ser, como antes, arrastadas, e evitou-se uma participação popular real.

Política é coisa de família

ukrainische Politiker Juschtschenko und Janukowitsch

Políticos ucranianos: Yushchenko e Yanukovich

Essa falha política impediu a ruptura democrática e levou à vitória dos opositores nas urnas: em 2010, Viktor Yanukovich foi eleito presidente com uma minoria estreitíssima. Sua política gerou um retrocesso nas poucas melhorias políticas que haviam sido conseguidas: a reforma constitucional de 2004 foi abolida e o presidente recuperou mais poderes. As liberdades de imprensa e opinião foram novamente tolhidas.

Poucos dias depois de sua eleição, Yanukovich colocou antigos companheiros em diversos cargos importantes do Judiciário. O onipresente serviço secreto começou a perseguir ONGs e jornalistas. Quem não era conivente, tinha o nome inserido numa lista negra e perdia o emprego.

No governo, Yanukovich, um homem de negócios da região industrial Donezk, foi estabelecendo um sistema político no qual nada é como deveria ser num regime democrático: nem o Parlamento, nem as forças de segurança, nem a Justiça. Um sistema, no qual novos conceitos foram surgindo: "o poder" é a forma como as pessoas do interior chamam o governo e o aparato do Estado. Com isso, elas se referem à rede de ligações pessoais, que decide sobre os destinos de ricos e pobres, sobre o poder e a onipotência.

Pseudopartidos abocanham votos

"A família" ocupa o centro deste poder. No caso, a família, os amigos e conhecidos de Viktor Yanukovich. Desta rede participam ainda membros da oligarquia ucraniana, que estão na lista da revista Forbes dos mais ricos do mundo – pessoas como Rinat Achmetov, cujo patrimônio é hoje avaliado em 15,4 bilhões de dólares, ou Viktor Pinchuk, o genro do ex-presidente Leonid Kuchma.

Entre os mais ricos do país está também Olexandr Yanukovich, o filho mais velho de Viktor Yanukovich, cuja fortuna se fez nos setores de construção civil e exploração de minérios, bem como em bancos e no setor energético.

Além disso, há ainda no país "partidos estratégicos", que só são fundados para roubar votos da oposição, como ocorreu nas eleições parlamentares de 2012. E há também os "recursos administrativos". Um termo que já subentende o que se quer dizer: manipulação e corrupção.

É assim que um governador envia seus representantes a determinadas regiões, nas quais seu partido deve ganhar. Só se isso acontece é que as localidades podem contar com os recursos financeiros necessitados para escolas, cultura e hospitais. Caso as pessoas não sejam coniventes, nenhum recurso flui.

A corrupção decide sobre as leis

A Revolução fracassou e a reação a ela se deu, com consequências devastadoras. Muitas pessoas na Ucrânia hoje ligam o conceito de democracia sobretudo a capitalismo, enriquecimento de poucos e corrupção endêmica. "Desta corrupção, os ucranianos participam em todos os níveis", relata a advogada Valentyna Telychenko.

"Se você quer vender panquecas numa mercearia, você tem que subornar a administração do bairro. Aí já começa. E termina com as propinas dos juízes dos mais altos tribunais, para que tomem decisões que não correspondem à leis". Para a advogada, essa corrupção diária é o mal comum, que impede qualquer mudança política.

Telychenko é uma das pessoas que não se deixam abater. Em 2004, mal tinha terminado o curso de Direito, ela foi às ruas protestar. Com a mesma convicção, ela luta hoje por mais justiça social em seu país. E como advogada defende na Justiça a família do jornalista Georgi Gongadse, morto em 2000.

Um caso que a Justiça ucraniana e o governo do país anseiam por arquivar. E que, apesar de muitas instâncias, ainda não foi esclarecido, tendo razões políticas. Diversos processos na Ucrânia foram considerados pela Corte Europeia de Direitos Humanos como aleatórios e ilegais, conta Telychenko: "Se não há tribunais independentes, qualquer um pode ser condenado ou pode perder seus bens, só porque outro qualquer quer. Isso não é democracia", conclui.

Os melhores deixam o país

Trata-se de uma luta travada também por Tetiana Chornovol: sua meta é desbaratar casos de corrupção e nepotismo. "Antigamente, eram milhões. Hoje são bilhões, que simplesmente desaparecem", diz ela. Chornovol, que trabalha com jornalismo investigativo, em suas pesquisas, já se fez passar por garçonete ou de convidada em festas dos oligarcas, já pulou cercas e há pouco criou um veículo aéreo de controle remoto com câmera de vídeo. "Em outros lugares eu não faria isso, mas num país como a Ucrânia, onde os donos do poder escondem tudo de seus eleitores, acho correto trabalhar também fazendo uso desses meios", diz ela. No entanto, suas revelações raramente são seguidas de atos concretos.

Pois o povo está resignado e deixa o país. O país tem perdido suas melhores cabeças: os mais bem formados, a classe média. Em torno de quatro milhões de ucranianos vivem no momento temporariamente ou para sempre no exterior. A oposição política não tem lugar – pelo menos não no Parlamento, na mídia e também quase nunca entre a opinião pública.

Dois anos decisivos

Julia Timoschenko im Gericht in Kiew Archivfoto vom 25.06.2011

Julia Timoshenko em tribunal de Kiev no ano de 2011

Num contexto como esse, tão mais corajoso é o trabalho de muitas ONGs pequenas e dos jovens que não se deixam abater. Como o da Opora, que significa flecha. E tais flechas são disparadas pela ONG em suas ações de protesto em direção ao governo: a organização participa dos procedimentos legais através de cartas abertas e manifestações.

"Queremos mostrar que os ucranianos acompanham atentamente a política. Exigimos que os políticos dêem satisfação aos cidadãos". Essa é a frase que une Oleksandr Neberykut e Olga Strelyuk. Em seu modesto escritório, num prédio antigo de Lviv, eles tentam manter o espírito democrático da ruptura de 2004.

O grupo de ativistas Opora tem em torno de 50 pessoas, embora o centro da organização seja composto de bem menos gente. "A decepção foi profunda depois que a Revolução Laranja não trouxe mudança alguma", diz Olga Strelyuk. É muito importante, completa ela, que a sociedade civil tenha vozes e se manifeste.

"A Ucrânia está a caminho do passado soviético", fala Strelyuk. Segundo ela, os próximos dois anos até a eleição presidencial em 2015 serão decisivos: "Partimos do princípio de que a pressão vai aumentar sobre nós, que pensamos diferente. A pressão vai aumentar sobre as organizações", conclui.

São pessoas corajosas como Olga e Oleksandr que querem resgatar as promessas de mais democracia dos movimentos civis, feitas há mais de dez anos. Eles não se deixam deter a caminho da meta comum: impedir que surja uma ditadura na Ucrânia. E impedir que o país se transforme numa segunda Belarus.

Leia mais