″A presidência alemã da UE foi fraca em relação ao Oriente Médio″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 19.06.2007
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"A presidência alemã da UE foi fraca em relação ao Oriente Médio"

Especialista avalia o papel dos europeus e da comunidade internacinal nos conflitos no Oriente Médio e aponta "vácuo político" de forças moderadas na região.

default

Conflito entre Hamas e Fatah: pouca mobilização da UE

Udo Steinbach, diretor do Instituto GIGA para Estudos sobre o Oriente Médio, não poupa palavras para caracterizar a "culpa da comunidade internacional pela escalada da violência" na região. "No que os Estados Unidos e Israel se voltaram contra o Hamas, eles deslegitimaram as tentativas de mediação da Arábia Saudita", diz Steinbach. Isso teria provocado uma ruptura dos territórios palestinos entre dois territórios autônomos separados, chamados sarcasticamente de "Hamastão" e "Fatahstão".

"Para estabelecer a paz entre israelenses e palestinos, é necessário haver um plano claro de qual rumo será tomado. No momento, porém, o cenário internacional não possui governos realmente capazes de atuar", critica Steinbach. Enquanto George W. Bush vê o fim de seu madato com uma maioria de democratas no Congresso Nacional, o premiê isralense Ehud Olmert vem sendo obrigado a se defender daqueles que pedem sua renúncia após os relatórios a respeito da guerra no Líbano.

Paralisia européia

Enquanto isso, a União Européia ainda está amarrada com a crise de sua Constituição não aprovada e apresenta uma certa paralisia na política externa em função das trocas de governo na França e no Reino Unido. "A presidência alemã do Conselho da UE foi fraca em relação à política do Oriente Médio. Não foi explicitado como a região poderia deixar esse beco sem saída", analisa Steinbach.

Para o especialista alemão, o otimismo de Olmert de que o processo de paz poderia ser conduzido sem o Hamas não é realista: "Pois a Cisjordânia não é uma entidade política", completa. E tudo leva a crer que o Hamas iria, sim, fazer de tudo para prejudicar quaisquer tentativas de paz entre o Fatah e Israel.

Steinbach não vê, neste contexto, qualquer fundamento para que seja realmente selada a paz entre israelenses e palestinos. E mesmo que houvesse tais fundamentos, é possível que Mahmud Abbas fosse, em função de um acordo com Israel, considerado traidor pelos próprios palestinos.

Falta solução

Para Steinbach, a interrupção das negociações para pôr fim ao conflito palestino acarreta conseqüências a longo prazo: "Enquanto não se formar uma oposição árabe ao Irã, as sanções vão continuar sem efeito. No momento temos, em todos os partidos, um vácuo político de forças moderadas e visionárias", diz o especialista.

O Hamas e o Fatah estão em conflito um contra o outro, uma guerra civil assola o Iraque, o Líbano está muito menos estável que há um ano e o Irã planeja, possivelmente, a bomba atômica. "O desenrolar para o pior no Oriente Médio está longe de ser freado", conclui Steinbach.

Leia mais