1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

A outra face de Günter Grass

Nobel de Literatura e intelectual mordaz, Günter Grass não vive apenas no mundo das letras, sendo inspirado também pelas musas da pintura e da escultura. Pela primeira vez, exibe-se uma ampla mostra de sua obra plástica.

default

Günter Grass em seu ateliê

Antes de se tornar romancista, Günter Grass foi escultor. Ao fim da Segunda Guerra Mundial, ele empunhou primeiro o cinzel. Aprendiz de entalhador de pedras, dedicou-se também ao estudo das artes gráficas. Mas quiseram as musas que a pena fosse sua principal arma de combate intelectual, pelo menos aos olhos do grande público, que ficou sabendo através de seus relatos das desditas do pequeno Oscar, aferrado a seu tambor de lata, e de tantas outras figuras que encarnaram a realidade da Alemanha devastada pelo nazismo e a guerra.

O primeiro amor

Sua produção literária lhe valeu o Prêmio Nobel em 1999, enquanto sua inclinação a pronunciar-se sem papas na língua sobre a situação política fez com que ele se convertesse numa espécie de "consciência moral" da Alemanha. Mas suas múltiplas atividades não conseguiram afastá-lo jamais de seu primeiro amor artístico: a escultura.

Grass mit Butt vor Gedenkhaus in Lübeck

Grass com uma de suas esculturas de linguado

Pela primeira vez realiza-se agora na Alemanha uma exposição que abarca amplamente a obra escultórica do escritor. Na entrada da Igreja Paulina de Göttingen, onde as obras podem ser apreciadas, um braço de bronze levanta-se do chão, com um peixe na mão: um linguado. Um claro anúncio do que espera o visitante interessado em conhecer as 100 figuras de bronze e argila que compõem a mostra, intimamente ligada ao universo literário do autor.

À sombra da literatura

Skulptur von Günter Grass

'Ela domina', escultura em bronze

Segundo Günter Grass, as figuras tomaram forma "em silêncio, à sombra da literatura". Ele esclarece, porém, que cada uma é também uma "obra independente". O autor assegura que para ele a coexistência de literatura, escultura e pintura é completamente natural. Há ocasiões inclusive em que passou de um campo para outro em meio a uma obra. Quando empaca num romance, fazer um desenho pode estimular o fluxo das idéias. Logo esses esboços adquirem vida independente, ou acabam servindo de base para as figuras de bronze e argila.

A exposição inclui ainda uns 70 desenhos, aquarelas e gravuras, que complementam a criação de Günter Grass. Todas essas expressões têm para ele o mesmo valor. Portanto, não gostaria de abandonar nenhuma. E se uma fada malvada o obrigasse a optar por uma só, o que faria? Sua resposta: "Passaria a conversa na fada e a levaria a renunciar a seu ultimato."

Leia mais