A nova geração de mochileiros: os ″flashpackers″ | Conheça os destinos turísticos mais famosos da Alemanha | DW | 26.07.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turismo

A nova geração de mochileiros: os "flashpackers"

Mochila pesada, dormitórios lotados e banheiros comunitários. Durante muito tempo foi assim que mochileiros viajaram pelo mundo. Mas agora a moda entre os jovens é: suíte individual, mala de rodinhas e laptop.

default

Jovens viajantes trocaram a mochila pesada pelas confortáveis malas de rodinha

Eles se espalham por toda a Europa: são hostels privados, que deixam de lado o espírito comunitário e despojado dos albergues tradicionais para oferecer acesso à internet por w-lan e um espaço seguro para carregar celulares ou iPods. Tanta modernidade é para atender à nova geração de mochileiros, que são jovens viajando por um curto período de tempo, através de companhias aéreas de baixo custo.

Por pouco dinheiro, muitas experiências

Pacientemente a recepcionista do Circus Hostel, em Berlim, tenta ajudar duas hóspedes a planejar um roteiro noturno. Flávia e Elena estavam em Paris pela manhã e, por apenas 30 euros, voaram em direção à capital alemã. Cansada, a dupla se apóia no balcão da recepção, mas isso não é motivo para elas não aproveitarem todos os minutos da visita à cidade, que será curta, de apenas dois dias.

Na mesma sala, do outro lado, jovens descontraídos sentados em um sofá de couro, cada um com seu próprio laptop, alguns de headset, papeando on-line sobre suas últimas aventuras pelo Velho Continente. Para aqueles que não trouxeram o seu computador portátil, é possível pegar um emprestado na recepção.

"Viajo com uma mala de rodinhas e, lá dentro, guardo meu laptop. É por essas e por outras que não gosto de dormir em quartos com muitas pessoas. Carrego coisas de valor", explicou o australiano Peter, enquanto conectava sua câmera digital ao computador.

Hostel The Backpacker / Jugendherbergen Berlin

Adaptação aos novos tempos: albergues agora oferecem w-lan e espaço para carregar celulares e iPods

A vanguarda dos flashpackers

Essa nova geração de viajantes recebeu dos proprietários de albergues o apelido irreverente de flashpackers, ou seja, aqueles turistas que fazem viagens curtas, voando em companhias baratas, de uma capital européia à outra.

De acordo com Andreas Bäcker, proprietário do Circus Hostel, a maioria de seus hóspedes são "normais" em termos de comportamento e na forma como se vestem. Apenas aqueles "que não estão na cidade por muito tempo, londrinos que visitam Praga por apenas três dias, por exemplo, esses sim viajam com um guarda-roupa completo e preparados para a balada. As meninas com suas bolsas de maquiagem. Um comportamento relativamente raro" completou.

Bäcker começou seu negócio com apenas 28 camas, divididas em quatro quartos. Contudo, ele disse que "o modelo se esgota logo, não funciona por muito tempo. Algo do gênero só é viável de um a três anos". Por isso, ele resolveu modernizar o conceito de albergue e se adaptar às necessidades deste novo público.

Rucksack Touristen auf der Khao San Road in Bangkok in Thailand

Existem turistas que ainda preferem albergues mais tradicionais

Viajando à moda antiga

Preço bacana, atmosfera confortável, pessoas de diferentes nacionalidades interagindo. Se você é um daqueles mochileiros que prezam o estilo old school que os albergues tinham há um tempo, não se decepcione, ainda existem lugares que hesitam em adotar esse modelo hi-tec. O Lette'm Sleep é um deles.

Pouco antes das 19 horas, os hóspedes começam a se aglomerar na cozinha comunitária do albergue. Um casal de australianos pegou sua comida em alguma lanchonete próxima; duas amigas, que vêm do sul da Alemanha, preparam uma massa com pesto; e, no computador, também comunitário, um espanhol surfa na internet gratuita.

A uma distância de apenas dez minutos a pé, o Lette'm Sleep é um albergue totalmente diferente do Circus Hostel. Norman Kolb, seu proprietário, não abre mão do estilo mais tradicional. "No geral, não mudamos muito nosso conceito ao longo dos anos. O lounge, a cozinha comunitária, internet e café gratuito foram coisas que decidimos manter porque acreditamos que fazem parte do estilo de vida dos mochileiros", disse Kolb.

A média de preço entre os dois também não é muito diferente, a diária custa em torno de 19 euros. Já a diferença entre os estilos é enorme, e Kolb termina por dizer que "de fato, temos que lutar contra os outros albergues, chiques e modernos, para que, no fim das contas, o nosso não fique com uma imagem de decadente".

Leia mais