1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"A guerra parece estar apenas começando"

Um ano após o fim oficial da guerra no Iraque, o conflito agrava-se. Rebeldes crescem e seqüestram trabalhadores estrangeiros. Dois agentes alemães estão desaparecidos. Organizações de ajuda podem sair do país.

default

Sunitas afirmam ter 13 estrangeiros em seu poder, em Falluja

Explosões em Bagdá, novos seqüestros de estrangeiros, combates em várias cidades e a confissão do ministro britânico do Exterior, Jack Straw, de que nunca a situação esteve tão difícil no Iraque, marcaram o primeiro aniversário do fim oficial da guerra que deu fim ao regime de Saddam Hussein. Em 9 de abril de 2003, soldados americanos e populares iraquianos derrubaram simbolicamente uma das maiores estátuas do ditador em Bagdá.

"A válvula não agüentou a pressão", admitiu Straw em entrevista nesta Sexta-Feira Santa (9/4), enquanto a agência Reuters registrava o seqüestro de mais seis estrangeiros, dois americanos e quatro italianos. Com isto o total de civis estrangeiros capturados por rebeldes subiu para 20, sendo que sete sul-coreanos já foram soltos. A conta confere, segundo novo vídeo divulgado neste sábado (10/4) pelos rebeldes, que falam em 13 capturados. No entanto, nenhum seria italiano.

Alemães são atacados e desaparecem

Em Berlim, o Ministério do Exterior confirmou que dois agentes alemães estão desaparecidos desde quarta-feira. Ambos pertenceriam à unidade especial GSG-9 e estavam sendo transferidos da capital da Jordânia, Amman, para a iraquiana. As viagens entre as capitais dos dois países são rotina para revezamento da segurança na embaixada de Bagdá.

Próximo a Falluja, onde sunitas e tropas americanas estão em combate, o comboio teria sido atacado. Desde então não se viu mais dos dois policiais alemães. Outros veículos do comboio teriam chegado ao destino.

Falta sensibilidade, não soldados

O cenário é "muito mais dramático do que o esperado", afirma o general alemão Klaus Reinhardt. Para o ex-comandante das tropas internacionais no Kosovo, os EUA estão "em situação extremamente difícil". Reprimir, o que só provoca mais violência, e trazer mais soldados "não ajuda", acrescenta Reinhardt.

Especialista em Oriente Médio na Deutsche Welle, o redator Peter Phillip analisa de forma similar. "A falta de sensibilidade por parte da coalizão leva cada vez mais iraquianos a entrar para o exército que claramente a enfrenta, como o dos seguidores do líder xiita Moqtada al-Sadr, tão jovem quanto radical. Um ano após o fim da guerra no Iraque, ela parece estar apenas começando", comenta Phillip.

Paralelo com Palestina

Schiiten Demonstration in Bagdad

Manifestante com cartaz do líder xiita Moqtada al-Sadr

Além disso, com características de guerrilha urbana, contra "um inimigo invisível, escondido na população civil e em mesquitas". Um tipo de conflito para o qual Washington não tem receita de solução, assim como Israel na Palestina. "O poder militar não pode resolver este problema", considera o redator da DW.

Para Phillip, o presidente americano George W. Bush está num beco sem saída. Desistir e perder a reeleição até seria "o mal menor". O Iraque, porém, ficaria condenado ao caos e se poderia esquecer "a transição para um Estado livre e de direito", o que "seria trágico, pois os iraquianos, depois de décadas de ditadura e sangrenta opressão, merecem algo melhor".

"Não se tornar colônia dos EUA, mas criar finalmente as bases para um Estado justo para todos seus cidadãos. E este eles não terão através de al-Sadr, pois este deseja uma república islâmica, tal como não se quer mais nem no Irã", observa Phillip.

Alemães pelo fim da ocupação

A opinião pública alemã pensa diferente. O Instituto Forsa apurou que 53% dos alemães são pela retirada imediata das tropas de ocupação do Iraque; 40% apóiam sua permanência. Atualmente, segundo os EUA, existem no país do Golfo Pérsico 145 soldados aliados, dos quais 125 mil americanos.

Se os militares estrangeiros dificilmente deixarão de enfrentar a resistência sunita e xiita, o mesmo não se pode esperar das entidades civis de ajuda humanitária. "Não podemos mais descartar que a maior parte das organizações alemãs irá se retirar por completo do Iraque, temporariamente, devido à espiral de violência", anunciou Hartmut Wilfert, da Ação Alemanha Ajuda, em Colônia.

Leia mais