1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

A espiral descendente da economia alemã

Os investimentos se reduzem, a confiança dos consumidores diminui e a cotação das ações não pára de cair – o pessimismo vem se propagando na Alemanha e nos EUA e tende a continuar.

default

Recessão: nenhum sinal de aquecimento da economia alemã

"Estamos num impasse", afirma Ulrich Beckmann, economista do Deutsche Bank, em entrevista a DW-WORLD. "Há uma pequena esperança de que a nossa conjuntura se recupere com a ajuda da economia norte-americana." No entanto, o crescimento econômico nos EUA também desacelerou.

Tendência negativa

O pessimismo da economia alemã está levando os institutos de pesquisa econômica a baixarem ainda mais as previsões de crescimento, que já estavam abaixo da marca de 1%. "Nosso prognóstico de 0,7% já se tornou arriscado", calcula Gernot Nerb, economista do Instituto de Pesquisa Econômica (ifo). Ainda não há sinais da aceleração prevista para o segundo semestre. O Banco Central Europeu também terá provavelmente que reduzir as suas expectativas.

O diretor do departamento econômico do HypoVereinsbank, Thomas Hueck, conta com uma desaceleração ainda maior da conjuntura. "O terceiro trimestre ainda pode ser bom, mas é improvável que esta tendência se mantenha", comentou Hueck a DW-WORLD.

Todo mundo economizando

Há três fatores que estão brecando a conjuntura. Em primeiro lugar, os consumidores estão cada vez menos dispostos a gastar e, como sempre, as poupanças aumentam nas épocas de insegurança. O economista do HypoVereinsbank lembra que muitas empresas costumavam financiar seus investimentos através do mercado de ações: "Diante da atual situação do mercado, isso se tornou praticamente inviável." Portanto, as empresas também são obrigadas a economizar.

Diante da menor arrecadação de impostos, o Estado também é obrigado a reduzir suas despesas, a fim de não aumentar ainda mais o déficit orçamentário. "Isso é inevitável, sobretudo diante da necessidade de manter o pacto europeu de estabilidade", explica Ulrich Beckmann, do Deutsche Bank. "Se esses três grupos passarem a economizar simultaneamente, o aquecimento da economia se torna mais improvável ainda."

"Espiral descendente"

A estagnação do mercado de ações poderá agravar ainda mais os problemas econômicos. Beckmann teme uma "espiral descendente", ou seja, uma influência negativa recíproca entre a conjuntura e as cotações nas bolsas de valores. É necessário, portanto, tentar evitar que este círculo vicioso se estabeleça.

Na avaliação de Hueck, um novo surto econômico depende de diversos fatores: "Primeiro, o Banco Central Europeu tem que amenizar os juros. Depois, é importante restabelecer a confiança das pessoas no mercado de ações. "Diante das drásticas quedas de cotação dos últimos tempos, não existe nenhum consenso sobre como avaliar as ações." Além disso, a pressão sobre as bolsas de valores aumentou ainda mais, pouco antes do 11 de setembro.

Contra uma política de consolidação

Além dessas medidas, os economistas entrevistados por DW-WORLD consideram viável aumentar a demanda geral através de despesas estatais. "Não se trata de promover o endividamento público", relativiza Hueck. No entanto, uma política de consolidação seria um erro no momento.

Até tais medidas surtirem efeito, ainda pode demorar. O quadro econômico na Alemanha dificilmente vai melhorar no segundo semestre deste ano. Caso aumentem os indícios de um possível ataque militar dos EUA contra o Iraque, a perspectiva de recuperação torna-se ainda mais longínqua. (sm)

Links externos