1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

A emoção de telefonar barato

O monopólio da Telekom alemã sobre as ligações locais termina em 25 de abril. A partir de então começa mais um capítulo na breve história de um dos mercados de telecomunicações mais dinâmicos do mundo.

default

Uma paixão nacional está cada vez mais mais barata

Desde a liberalização do mercado de telecomunicações na Alemanha, em 1998, o setor tem provado uma vitalidade espantosa. Pode-se falar de uma mudança da água para o vinho: do conformismo total com a inércia da Deutsche Telekom e sua salgada política de preços, o consumidor alemão passou a uma atitude quase predatória. Um centésimo de cent a menos pode ser o motivo para ele trocar de operadora, entre um telefonema e outro.

Mas antes, as prestadoras de serviços telefônicos precisaram descobrir e despertar a fera adormecida. A Alemanha adotou um modelo de liberalização quase único no mundo. Com gastos mínimos, praticamente qualquer pessoa pode conectar-se à rede da Deutsche Telekom, pagar pela utilização da linha uma pequena tarifa, oferecer serviços call-by-call (sem registro do cliente, taxas mensais ou obrigações contratuais) e viver dos lucros. E todo o aparato de pagamento corre por conta da operadora da ex-monopolista. Um detalhe importante, pois cobrar tarifas é coisa cara.

Este tópico é um calo no pé da Telekom e de outras operadoras "de verdade". Como expõe Roman Schwarz, diretor-geral na Alemanha e Suíça da multinacional Tele2: "A loja de departamentos Karstadt não assume a contabilidade para o supermercado Aldi, nem os passageiros pagam suas passagens pela Lufthansa, quando querem voar com a barateira Ryan Air".

Avareza incentivou a concorrência

De início, a abertura só se aplicou às ligações à distância. As operadoras baratas proliferaram, cada uma superando a outra com preços incrivelmente módicos: precedida do prefixo mágico, uma ligação para o Brasil chega por vezes a custar 7 cents por minuto. Um verdadeiro escândalo, em comparação com o 1,47 euro exigido, antes de 1998, pela Telekom, que agora também entrou na concorrência.

Muitas das firmas-relâmpago logo desapareceram do mercado selvagem, porém algumas sobreviveram e continuam lucrando com a "pão-durice" do usuário alemão. A rigor, a proliferação foi apenas aparente: um exame mais atento revela que o número das prestadoras do serviço call-by-call realmente independentes é bem inferior à quantidade dos prefixos e dos nomes inconfundíveis como TeleDiscount ou Phonedump. Quase todas possuem pelo menos mais uma subsidiária. E existem mesmo grandes famílias: quase 20 das 40 firmas ou marcas atuais agrupam-se em torno de duas companhias limitadas: a 015051 Telecom e a 01058 Telecom. Camuflagem também tornou-se parte do negócio.

Novidades de hora em hora

O mercado telefônico alemão de hoje lembra a bolsa de valores. As operadoras mudam suas tarifas até 30 a 40 vezes por dia, na ânsia de satisfazer a insaciável sede de poupar. Toda essa presteza esconde também, por vezes, um golpe baixo: parte das "ofertas especiais" só tem validade por algumas horas, e a conversa sairá bem mais cara do que espera o usuário. Em defesa da própria credibilidade, as firmas mais sérias confirmam a tarifa através de uma voz gravada, antes de completar a ligação.

Toda essa agilidade criou um outro problema para o consumidor: como saber se o prefixo que está discando é realmente o mais barato de todos, neste exato momento? Foi preciso a internet colocar à sua disposição um aliado indispensável: as calculadoras de tarifas. Sites como billiger-telefonieren.de ou teltarif.de prestam o inestimável meta-serviço de pesquisar detalhadamente as ofertas mais vantajosas, de acordo com o local para onde se telefona, o horário, a duração média da conversa, etc.

Telefonar na Alemanha tornou-se definitivamente um convite à criatividade: fanáticos da técnica descobriram até mesmo como driblar a limitação da liberalização às chamadas de longa distância. Eles conseguem agora o que oficialmente só será possível a partir de 25 de abril: telefonar dentro da própria cidade, bem mais barato do que agradaria à Telekom.

Leia mais