1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

A destruição da cúpula dourada

Desde a explosão da cúpula do santuário xiita Al Asqari, a mesquita dourada da cidade de Samarra, ao noroeste de Bagdá, já faleceram mais de cem pessoas na luta entre xiitas e sunitas. DW-WORLD analisa origens e fatos.

default

Destruição da mesquita Al Asqari em Samarra

Pouco conhecida fora do mundo muçulmano, Samarra é um dos principais santuários de perigrinação xiita e antiga capital dos califas abássidas, considerados pelos xiitas como descendentes de Maomé.

Desde a explosão na última quarta-feira (22/02), supostamente por extremistas sunitas, da mesquita xiita Al Asqari (a mesquita dourada de Samarra), a violência entre sunitas e xiitas aumenta diariamente no Iraque.

Um hospital de Baquba confirmou hoje que foram encontrados os corpos de 62 civis em Nahrawan, a 40 quilômetros de Bagdá, mortos a caminho de uma manifestação. Outros 50 já haviam sido vítimas de atos de retaliação. Várias mesquitas sunitas também foram atacadas.

Origens do conflito

Goldene Moschee in Samarra Archiv

A cúpula dourada antes da sua destruição

Peter Philipp, analista da DW-WORLD, explica que cerca de um quinto da população do norte da África e do Oriente Médio pertence ao ramo xiita do Islã. No Irã, no Iêmen, no Iraque e em Barein, eles representam a maior parte da população. Já nos demais países muçulmanos, a maioria é sunita.

Xiitas e sunitas se diferenciam pela crença na sucessão do Profeta, o que também explica a importância do santuário de Samarra, onde, para os xiitas, estão enterrados o 10º e 11º imãs, descendentes de Ali, primo de Maomé, a quem o Profeta confiou o destino dos muçulmanos. Ali foi destronado pelos novos califas, que não foram reconhecidos pelos xiitas.

Mahdi, o 12º imã, filho de Hassan al Asqari, que deu o nome à mesquita, desapareceu ainda criança, escondido em Samarra, e é considerado pelos xiitas como o Messias, cuja volta ainda é esperada no intuito de que a dinastia direta do Profeta seja continuada.

Para os sunitas, os califas sempre foram mais importantes que os imãs. Apesar de estarem em minoria populacional, são eles quem dominavam a cena política iraquiana. Já no Irã, o ramo xiita do Islã é religião oficial desde o século 16, apesar de seus santuários encontrarem-se no Iraque.

Separar para reinar

Anschlag auf Goldene Moschee in Samarra Reaktionen

Iraquianos revoltosos após o atentado

"Terrorismo puro" é como o analista Peter Philipp considera a destruição da cúpula dourada do santuário Al Asqari na cidade de Samarra, a pouco mais de cem quilômetros ao noroeste de Bagdá.

Para Philipp, atrás dos atentados encontra-se um só objetivo: desestabilizar qualquer tipo de normalidade e provocar a rivalidade entre os grupos religiosos. Essa normalidade significaria o fim do poder político de certos grupos dominantes.

O Iraque tem uma tradição de Estado secular e se a divisão entre as diversas fracções religiosas puder ser ultrapassada, é interessante que política e religião continuem separadas, garantindo assim os direitos dos diversos grupos.

Philipp também vê um perigo simbólico no ataque a santuários religiosos, lembrando do ataque às mesquitas na Holanda, após a morte do cineasta van Gogh, e dos atuais ataques xiitas contra mesquitas sunitas. Dentro dessa lógica, um eventual ataque à Catedral de Colônia não seria de todo um absurdo, afirma Philipp.

Hoshyar Zebari condena a violência

Irak Konferenz in Brüssel Javier Solana und Hoschjar Sebari

O ministro Hoshyar Zebari (esq.), com Javier Solana em Bruxelas

Em entrevista à DW-WORLD, o ministro das Relações Exteriores do Iraque, Hoshyar Zebari, confirma a análise de Peter Philipp e comenta que o atentado de Samarra é a pior tentativa feita até agora para desestabilizar a unidade do país e levá-lo a uma guerra civil.

Quanto ao possíveis grupos que estão por trás do atentado, ele menciona todos os grupos interessados na desestabilização do Iraque, entre eles o Al Qaida e seus aliados sob o comando de Al Zarqawi.

Zebari está confiante que as autoridades políticas e religiosas conseguirão aniquilar o plano terrorista e evitar uma guerra civil, condenando também os ataques xiitas às mesquitas sunitas.

Ele salientou que chefes religiosos xiitas condenaram veementemente qualquer tipo de ataque a santuários sunitas e que todos trabalham para que se encerrem os atos de retaliação.

Leia mais