1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

A Babel das feiras alemãs

A Alemanha atrai cada vez mais expositores de fora do país às mais de cem feiras que sedia anualmente. Também entre os visitantes o contigente estrangeiro já atinge 20%.

default

Feira Náutica em Düsseldorf, uma das inúmeras do país

Metade dos expositores nas feiras alemãs vem de fora do país. Mesmo considerando que Itália, Reino Unido e França encabeçam a lista dos freqüentadores mais assíduos, a Ásia também tem se mostrado presente nos eventos comerciais que acontecem no país. China, Taiwan e Coréia do Sul juntas já tomam conta de 23,1% dos estandes das feiras alemãs.

Coração do mercado europeu - A Alemanha sedia anualmente mais de cem feiras internacionais, voltadas para determinados setores específicos como a indústria automobilística ou informática. A Feira Internacional de Radiodifusão, por exemplo, considerada a mais importante do ramo, deve contar com 67% de expositores estrangeiros este ano.

Também a localização geográfica do país contribui para que as feiras alemãs sejam as preferidas dos expositores que vêm de longe. "A Alemanha fica realmente no coração do mercado europeu - e não só da União Européia. Ou seja, um mercado em potencial para produtos estrangeiros, como os asiáticos.

Além disso, os expositores vindos da Ásia podem conhecer aqui seus concorrentes de todo o mundo, devido ao caráter internacional das feiras alemãs", comenta Hermann Kresse, diretor comercial da Comissão para Exposições e Feiras do empresariado alemão.

Presença norte-americana - Um fenômeno interessante a ser observado é a presença cada vez mais constante de visitantes norte-americanos nas feiras organizadas no país. Enquanto o número de expositores vindos dos EUA vem caindo - devido à fraca conjuntura e à crise econômica - o interesse dos visitantes norte-americanos pelas feiras alemãs é cada vez maior.

Isso mostra que as dissonâncias políticas entre Berlim e Washington durante a guerra no Iraque não afetaram as relações comerciais entre os dois países. "Parece óbvio que nem o 11 de setembro nem a diferença de pontos de vista acerca da guerra no Iraque surtiram efeitos negativos neste setor", observa Kresse.

Aumento das exportações - Entre os que lucram com o caráter internacional das feiras que acontecem na Alemanha estão as empresas de médio porte. Por um lado, elas saem ganhando com o dinheiro deixado por expositores e visitantes estrangeiros nas cidades que sediam as feiras. Por outro, ainda usam o espaço dos eventos para divulgar seus próprios produtos, expandindo dessa forma o mercado de exportação.

"No ano de 2003, teremos a participação de empresas alemãs em 150 feiras fora do país: na Ásia - principalmente na China -, mas também no Leste Europeu, nos Emirados Árabes ou na América Latina", conclui Kresse.

Leia mais