1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

A ambigüidade na arte

O "eterno enigma" da "imagem dupla" permeia os últimos séculos da história da arte. Uma exposição em Düsseldorf dedicada ao tema traz exemplos a serem decifrados pelo olhar do observador.

default

Violino de Ingres, de Man Ray, uma das obras expostas em Düsseldorf

Um labirinto de ilusões ou um desafio à percepção. Nas diversas obras expostas, há no mínimo duas "realidades" a serem identificadas. O visitante é desafiado a "virar a cabeça", mudar de posição, abandonar a perspectiva central. Os trabalhos vão de iconografias da Índia, passando por 40 obras assinadas por Dalí (o principal expoente na mostra) e pela fotografia de Man Ray, até as criações do artista suíço André Thomkins ou do alemão Sigmar Polke.

Crítico-paranóico - O título da exposição - O Enigma Infinito - recorre à obra de Salvador Dalí de mesmo nome, datada de 1938. Tendo como fio condutor o "método crítico-paranóico" criado pelo surrealista espanhol, a exposição também intitulada Dalí e a Magia da Ambigüidade traça um panorama do "engodo" do ano de 1081 até os dias de hoje. Trata-se aqui da técnica da imagem dupla, cuja percepção varia de acordo com a perspectiva do observador.

Partindo do clássico Cisnes Espelham Elefantes, também de Dalí, a curadoria inicia uma verdadeira viagem às obras de "significados múltiplos" presentes na história da arte. Entre os exemplos de recursos utilizados está a utilização do enigma como forma de sublimar o erótico, visto por exemplo na representação de caveiras montadas com corpos femininos.

Alegorias maneiristas - Retomando entre outros o trabalho do maneirista Giuseppe Arcimboldo - uma espécie de precursor da técnica - são expostos 350 trabalhos "duplos". Arcimboldo (redescoberto pelos surrealistas) criou em fins do século 16 imagens de frutas, flores e animais, como alegorias de rostos humanos.

O primeiro pavilhão da mostra é dedicado à arte dos "borrões", formas assimétricas dispostas pelo princípio do acaso, possibilitando assim uma série infindável de interpretações. O recurso foi utilizado propositalmente pelos surrealistas, que buscavam a oscilação do significado, como uma forma de romper com quaisquer amarras da lógica convencional.

Leia mais

Links externos