1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

A última página da «Outra Biblioteca»

Vinte anos se passaram desde a criação da heterogênea coleção, que decorava prateleiras com luxuosas edições. Agora, seus editores, Hans Magnus Enzensberger e Franz Greno, anunciaram seu fim em setembro de 2005.

default

Enzensberger: 20 anos e três milhões de exemplares

"Nem tudo o que dura, precisa durar para sempre" – foi assim que o escritor Hans Magnus Enzensberger anunciou o encerramento da prestigiosa coleção Outra Biblioteca (Andere Bibliothek), que editou com muita dedicação junto com Franz Greno.

O último volume será publicado em setembro de 2005, muito a contragosto da editora Eichborn. Afinal de contas, segundo o diretor Matthias Kierzek, a rescisão do contrato não é "nem justificada, nem justificável" e, juridicamente, só seria possível em 2007, após um aviso prévio de três anos.

Há tempos que a Eichborn, uma empresa de capital aberto, vem lutando para sair do vermelho. Desde seu lançamento na bolsa de valores em 2000, a direção vem passando por um delicado entra-e-sai, de modo que "as condições que hoje caracterizam os negócios se tornaram muito difíceis", na opinião de Greno. "Simplesmente não queremos mais."

Cuidado ao citar motivos

Mas a coisa não é tão fácil assim. Kierzek compreende que problemas entre os acionistas não tenham agradado aos editores. Segundo ele, diferenças de opinião já teriam surgido durante a publicação dos clássicos do pesquisador Alexander von Humboldt (1769–1859), em setembro último, que custou cerca de 1,5 milhão de euros à editora.

Enzensberger mit Neuedition von Humboldt Werken

Enzensberger e a edição do «Cosmos», de Alexander von Humboldt

Enzensberger teria exigido uma maior divulgação das obras, cujo sucesso – com mais de 100 mil exemplares vendidos, apesar do alto preço – é em grande parte devido ao seu empenho pessoal junto à mídia.

Ele próprio evita comentar os motivos que os levaram a tal decisão. "Esse é um caso para nossos advogados", argumenta. Só eles poderão dizer até quando Enzensberger e Greno terão que continuar encabeçando a coleção. Afinal, a editora já tem contratos assinados com diversos autores até 2006.

Futuro é incerto

Greno deixou em aberto se ele e Enzensberger estão à procura de uma nova editora. "Se encontrarmos uma constelação adequada, faremos talvez um livro. Mas então com outro nome", disse. Entre as possíveis editoras estão a Hanser, de Munique, cujo diretor é amigo pessoal de Enzensberger, ou a Suhrkamp, de Frankfurt, pela qual Enzensberger publica seus livros há décadas.

A Eichborn, que há 15 anos adquiriu dos editores os direitos sobre o nome Andere Bibliothek, avalia a possibilidade de dar continuidade à série. "Consideramos inclusive a negociação de um possível sucessor com o próprio Enzensberger", disse Kierzek.

Entretanto, sem Enzensberger e Greno, a série perde muito de seu valor. Além do mais, tal decisão teria mais a ver com sua reputação do que com o sucesso de vendas, sugerem fontes ligadas à Eichborn.

História de sucesso

Tudo começou a partir de um pensamento simples: "Luxo não é crime". A idéia básica era quebrar a monotonia do mercado editorial com obras escolhidas a dedo, pelo próprio Enzensberger, e levadas ao mercado por meio de livros produzidos artesanalmente, com impressões em papel isento de acidez, cada volume numerado e encadernado individualmente com capas de couro.

Hoje, alguns livros editados pela Outra Biblioteca são verdadeiras pérolas, cobiçadas por colecionadores a preços nada módicos. Com o 249º volume, o último planejado, a coleção atingirá uma tiragem de três milhões de exemplares.

Leia mais