Ação da Deutsche Telekom tem queda recorde | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 14.06.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Ação da Deutsche Telekom tem queda recorde

Num dia negro na bolsa de Frankfurt, o índice do Mercado Novo teve nova queda recorde. A ação da Telekom foi negociada por menos de 10 euros. A perda para quem comprou na fase de alta chega a mais de 90%.

default

Acionistas na última assembléia da Telekom, em Colônia

A queda das bolsas de Nova York a Tóquio não passou pela Alemanha sem deixar marcas. A Bolsa de Frankfurt viveu hoje (14) uma "sexta-feira negra". A baixa recorde da ação da Deutsche Telekom, que caiu para menos de 10 euros, e a queda dos índices provocaram um clima de pânico. "E parece que não atingimos ainda a última fase da liquidação", comentou um analista.

Queda maior do que a de 11 de setembro - O DAX, índice das 30 principais ações alemãs, caíra mais de 4% até as 16 horas (4.286 pontos). O Nemax-50, índice do Mercado Novo, que não para de cair, atingiu hoje uma nova baixa recorde. Ao desvalorizar-se 6,4%, chegou a 633 pontos, superando até a grande queda em 11 de setembro passado, quando chegara a 641 pontos.

Fato é que os índices em Frankfurt estão em baixa há várias semanas, o que revela a crise de confiança dos investidores. Um porta-voz da Deutsche Telekom atribuiu a queda da ação, que agora custa 30% menos do que em seu lançamento na bolsa, em 1996, ao "profundo pessimismo que reina no mercado".

Crise das telecomunicações - Além do mais, todos os valores de telecomunicações estão em crise, pois as operadoras se endividaram em sua expansão e ao adquirir as custosas licenças de telefonia móvel UMTS para os celulares da próxima geração. Nesta sexta-feira, também as ações da gigante britânica Vodafone, da France Télécom e da Telefónica espanhola tiveram quedas recordes, o que, contudo, não serve de consolo aos acionistas da Deutsche Telekom.

A T-Aktie, como é chamada a ação da maior operadora alemã de telefonia, perdeu mais de 90% do seu valor em relação à cotação recorde que atingiu em março de 2000, quando valia 104 euros. Quem comprou ações por 65 euros, em meados de 2000, na terceira fase da privatização, perdeu 85% do seu capital.

Culpa do mercado e dos especuladores - O presidente da Telekom, Ron Sommer, não se cansa de repetir, até mesmo numa sexta-feira negra como esta, que a ação está "notoriamente abaixo de seu valor". Para Sommer, os motivos da baixa não estão na empresa: "Não há nenhuma razão para a baixa na própria empresa, o mercado é que está ruim", diz o executivo, no que, excepcionalmente, concordam os analistas. "Nas últimas três semanas não houve nenhuma notícia da Telekom que justificasse tal queda na cotação", diz Ralf Hallmann, da Sociedade de Bancos de Berlim.

A culpa, segundo ele, é da especulação, mais especificamente dos chamados hedge-fonds. Esses fundos realizam transações de alto risco, emprestando ações que não possuem, para vendê-las posteriormente numa determinada data, a preço pré-fixado. Tal especulação gira em torno da expectativa de queda de uma ação, do contrário não resultaria em lucro para o especulador. Segundo indicam corretores da bolsa de Frankfurt, alguns fundos resolveram se lançar sobre a ação da Deutsche Telekom, uma vez que ela dificilmente se valorizará nas próximas semanas.

Bola de cristal - Quem especula dessa forma, oferecendo ações a um preço inferior ao de mercado, acaba fortalecendo a tendência de queda da cotação - pelo menos é o que reza um ditado da bolsa, revelando o efeito psicológico desse tipo de transação.

Naturalmente, tais especuladores terão que comprar ações em algum momento para efetuar a venda já acertada, o que poderá, pelo menos teoricamente, desencadear uma tendência de valorização da T-Aktie. No entanto, como só há incertezas nos mercados financeiros no momento, mais vale consultar as estrelas ou uma bola de cristal para saber o que o futuro reserva à ação da gigante alemã das telecomunicações.