1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1990: Gorbatchov é eleito presidente da URSS

No dia 15 de março de 1990, Mikhail Gorbatchov foi eleito presidente da União Soviética com 595 dos votos da Duma – a assembleia dos representantes do povo. Apesar de popular, seu mandato enfrentará forte oposição.

default

Gorbatchov discursa após reeleição

Mikhail Sergueievitch Gorbatchov foi eleito secretário do Comitê Central do Partido Comunista em 1985, depois da morte de Konstantin Tchernenko, tornando-se o membro mais jovem do Politburo.

Como a União Soviética estava à beira da ruína, Gorbatchov iniciou reformas drásticas nas políticas interna e econômica, com o intuito de democratizar o país. Dois conceitos centrais tornaram-se internacionalmente conhecidos: Glasnost (transparência) e Perestroika (reforma).

Liberdade para rever o stalinismo

Pela primeira vez na história soviética, os meios de comunicação puderam enfocar o stalinismo de forma crítica. Os dissidentes presos foram anistiados e permitiram-se manifestações em Moscou. Na economia, houve tentativas de combate à burocracia e à corrupção.

Pouco a pouco, foi havendo uma substituição da economia planificada pela de mercado. Em 1988, o Congresso dos Deputados do Povo escolheu Gorbatchov para presidente do Soviete Supremo, concedendo-lhe amplos poderes com a reforma constitucional de 1990 e a alteração das funções de chefe de Estado.

Aproximação dos EUA

Para financiar as mudanças, Gorbatchov procurou então o apoio do presidente Ronald Reagan, em Washington. Em contrapartida, prometeu economizar com armamentos. Mas, internamente, cresceram as críticas.

Os comunistas o acusavam de ser o principal responsável pela perda de poder dos soviéticos. Afinal, ele havia desencadeado um processo de desarmamento que levou à assinatura do tratado para a eliminação dos mísseis de médio alcance e, entre 1988 e 1989, permitiu a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão.

A 15 de março de 1990, foi eleito chefe de Estado e de governo, com 595 dos votos da Duma – a assembleia dos representantes do povo.

Ascensão de Iéltsin

Quando Gorbatchov integrara o Poliburo, em 1985, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas controlava a metade da Europa. Cinco anos mais tarde, cada vez mais países deixavam o Pacto de Varsóvia, a aliança militar do Leste Europeu. Nesse ínterim, também cresceu o prestígio do populista Boris Iéltsin, chefe do partido russo, que em março de 1990 foi eleito presidente do Soviete Supremo da URSS.

Três meses depois, Iéltsin conseguiu aprovar no Parlamento uma declaração de soberania das instituições russas sobre as da URSS, esvaziando o poder político de Gorbatchov. A Alemanha Oriental uniu-se à Ocidental, em 1990, e ingressou na até então inimiga Organização do Tratado do Atlântico Norte. A própria União Soviética ameaçava desintegrar-se. Neste mesmo ano, Gorbatchov recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

Na política interna, ele estava sendo cada vez mais criticado pelos comunistas, ao mesmo tempo em que era pressionado pelos reformistas radicais. Esta crise atingiu seu ápice em agosto de 1991. Enquanto passava as férias com a esposa na Crimeia, sua residência foi cercada por militares, que o pressionavam a renunciar.

Renúncia

A tentativa de golpe durou três dias, ao fim dos quais Moscou já tinha um novo homem forte: Boris Iéltsin, o presidente da Rússia, reformista radical, que havia conquistado os militares. Iéltsin substituiu Gorbatchov, depois de este renunciar ao cargo de secretário-geral do Partido Comunista.

Gorbatchov renunciou à presidência em dezembro de 1991, quando também aconteceu a dissolução pacífica da União Soviética, levando à criação da Comunidade de Estados Independentes (CEI).