1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1986: Demissões no caso Irã-Contras

No dia 25 de novembro de 1986, Ronald Reagan, então presidente dos Estados Unidos, demitiu o chefe do Conselho de Segurança Nacional, almirante John Poindexter, e seu subordinado, Oliver North.

default

Oliver North ao prestar depoimento no caso em 1987

Como responsável pela venda de armas no Conselho Nacional de Segurança, Oliver North havia fornecido armamentos ao Irã para conseguir a libertação de reféns no Líbano. Com os lucros, financiou os Contras na Nicarágua.

Quando se fala no caso Irã-Contras, automaticamente é mencionado o nome do ex-coronel Oliver North, que foi vice-diretor do Conselho Nacional de Segurança de 1981 a 1986, no governo de Ronald Reagan. Ele coordenou um esquema de venda secreta de armas norte-americanas para o Irã, com o objetivo de libertar norte-americanos em poder dos iranianos e desviar o dinheiro para a guerrilha dos Contras na Nicarágua.

Na época, estavam em vigor leis votadas pelo Congresso que proibiam o governo dos EUA tanto de fornecer armas para o Irã quanto de financiar a guerrilha anti-sandinista na Nicarágua.

Multa e liberdade condicional

O desvio de dinheiro foi denunciado pelo então secretário da Justiça, Ed Meese, a 25 de novembro de 1986, e logo ficou evidente que Oliver North fora o principal mentor da operação. Ainda no mesmo ano, ele depôs numa Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado. Os telespectadores que acompanharam o interrogatório pela tevê oscilavam entre considerá-lo herói ou bandido.

Em 1989, quando foi julgado pela Justiça Federal, North admitiu ter mentido em seus depoimentos ao Congresso. Uma corte federal o condenou a pagar multa de US$ 150 mil, três anos de liberdade condicional e prestar 1200 horas de serviços comunitários. Mas ele conseguiu anular a sentença em recurso encaminhado a instância superior.

O promotor independente Lawrence Walsh indiciou ainda outras 13 pessoas no caso Irã-Contras. Só quatro, de escalões inferiores, foram condenadas e cumpriram pena. O ex-assessor de segurança nacional de Reagan, John Poindexter, como North, ganhou recurso contra sua condenação.

Jogo de cintura político

O então presidente Reagan negou, várias vezes, diante da CPI, ter tomado conhecimento de qualquer detalhe da operação. Tanto a venda de armas ao Irã quanto o repasse do dinheiro aos Contras eram ilegais e politicamente injustificáveis. Com muito malabarismo e sem comprometer Reagan diretamente, Oliver North desempenhou diante do Congresso o papel de "um herói, que apenas realizara o desejo de seus superiores".

O ex-coronel disse quase tudo, menos a verdade, pronunciando o tipo de discurso que usaria em sua campanha para o Senado, em 1994. North era excessivamente charmoso para servir de bode expiatório no palco da política. E o ator principal, Ronald Reagan, incorporava a figura de um "superpai da nação" que ninguém queria desmascarar.

A maioria dos norte-americanos acreditou no presidente quando confessou que sabia dos contatos de North com os Contras, mas que sempre advertira o tenente-coronel da necessidade de respeitar as leis.