1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1975: Primeira visita de um chefe de governo israelense à Alemanha

No dia 8 de julho de 1975, o então primeiro-ministro Yitzhak Rabin foi o primeiro chefe de governo de Israel a visitar a Alemanha: um passo importante no processo de normalização das relações entre os dois países.

default

Yitzhak Rabin

"Minha visita começou com uma homenagem às vítimas do Holocausto no campo de concentração de Bergen-Belsen. Foi a primeira vez que eu vi um campo de extermínio nazista. O sofrimento cobriu o fosso de 35 anos que me separava – como israelense e soldado – do tempo do Holocausto e, de repente, eu tinha meu povo martirizado diante dos olhos."

Foi assim que o ex-primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin descreveu, em suas memórias, o início da primeira viagem de um chefe de Estado israelense à Alemanha. Bergen-Belsen, um município idílico de 12 mil habitantes, na Baixa Saxônia, chegou a abrigar 60 mil judeus presos pelos nazistas. "Apesar da beleza da paisagem, tive a sensação de ouvir gritos de crianças vindos do silêncio", escreveu Rabin.

O primeiro-ministro de Israel veio à Alemanha no dia 8 de julho de 1975, para uma visita de quatro dias, mesmo tendo assuntos mais importantes a tratar no Oriente Médio. Na época, negociava-se um recuo das tropas egípcias e israelenses da Península do Sinai. Os Estados Unidos estavam tão envolvidos no processo, que o então secretário de Estado Henry Kissinger, de passagem pela Alemanha, aproveitou o jantar oficial, no Castelo de Gymnich, perto de Colônia, para dar continuidade às negociações com Rabin.

Com o governo alemão – sobretudo com o então chanceler federal Helmut Schmidt –, Rabin tratou de outras questões. A Alemanha restringia-se a manter relações bilaterais e, conscientemente, não interferia na política do Oriente Médio, deixando-a a cargo dos Estados Unidos e dos demais países europeus.

Normalização das relações bilaterais

Schmidt e Rabin assinaram um acordo comercial. No mais, reafirmaram suas opiniões divergentes sobre questões centrais da diplomacia do Oriente Médio. Rabin reiterou a determinação de não colocar em risco a segurança de Israel, enquanto Schmidt deixou transparecer que concordava com a impaciência dos europeus diante dos lentos avanços na região. Ambos os governos, porém, estavam satisfeitos com os progressos no plano bilateral.

Todos os chanceleres federais alemães do pós-Guerra haviam estado em Israel. "Como primeiro chefe de governo israelense em visita oficial à República Federal da Alemanha (RFA), tenho uma grave responsabilidade. Todo judeu e, com certeza, todo chefe de governo israelense – perseguido ou não pelo nazismo – carrega consigo o peso dessa perseguição. Ele está marcado na memória coletiva do povo judaico, vítima da tragédia mais terrível de sua história", declarou Rabin.

Somente o fundador do Estado de Israel, David Ben Gurion, havia estado na Alemanha antes de Rabin. Em caráter particular, participara do enterro de Konrad Adenauer, em 1967. Em 1975, a oposição israelense, liderada por Menachem Begin, ainda era contrária a uma estreita cooperação com a Alemanha. Begin, do partido Likud, sucedeu a Rabin em 1977, mas nunca visitou o país.

Nos governos posteriores, as relações entre as duas nações se normalizaram. Políticos israelenses visitam regularmente a Alemanha.

Leia mais