1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1975: Ingleses aprovam ingresso na UE

Em 5 de junho de 1975, foi realizado o primeiro referendo popular da história do Reino Unido – um plebiscito nacional sobre a permanência do país na Comunidade Econômica Europeia.

default

Mal haviam entrado na Comunidade Econômica Europeia (CEE), os britânicos já pensavam em sair. Em 1º de janeiro de 1973, o Reino Unido ingressou na CEE (hoje União Europeia – UE). No começo do ano seguinte, desencadeou-se no país uma acirrada discussão sobre a permanência ou não no bloco econômico.

"Os companheiros de vocês no continente europeu querem que permaneçam na CEE. Por favor, pensem nisso também quando falam de solidariedade. Companheiros, quando penso na vossa decisão, sinto-me como alguém que tenta convencer os integrantes do Exército da Salvação das vantagens da bebedeira", disse, meio frustrado, o então chanceler federal da Alemanha, Helmut Schmidt, como orador convidado num congresso do Partido Trabalhista da Inglaterra, no final de 1974. O líder social-democrata da Alemanha tentava explicar aos britânicos as vantagens de ser membro do bloco.

Críticas dos sindicatos

Logo após derrotarem o governo conservador, em 1974, os trabalhistas liderados por Harold Wilson decidiram renegociar as condições para o ingresso na CEE e submeter o resultado a um plebiscito. Foi uma decisão forçada, principalmente, pelas críticas dos sindicatos ao mercado comum europeu.

"Acredito que as condições do tratado de ingresso, mesmo que sejam melhoradas por novas negociações, provocarão graves prejuízos ao Reino Unido. Esse prejuízo aumentará com o tempo em que permanecermos no mercado comum. Acreditamos também que as diretrizes básicas do acordo representam um fardo pesado para o desenvolvimento do socialismo democrático na Inglaterra", disse à época Brian Stanley, porta-voz do Sindicato dos Funcionários dos Correios.

Os críticos da permanência na CEE atacavam principalmente a perda de soberania nacional. Diante da redução do peso internacional do Commonwealth, os britânicos haviam aderido à Comunidade Europeia sobretudo por motivos econômicos. A persistente crise econômica – com taxas de inflação de 20% ao ano –, porém, não pôde ser superada com o ingresso na CEE. Por isso, um dos principais objetivos do primeiro-ministro Harold Wilson na renegociação era reduzir as contribuições da Grã-Bretanha aos cofres europeus.

Busca por solução pragmática

As renegociações foram oficialmente rejeitadas pelos demais países do bloco econômico, mas internamente havia disposição para fazer concessões. Em março de 1975, os chefes de governo da CEE encontraram-se em Dublin, na Irlanda, para buscar uma solução pragmática. Harold Wilson, de fato, obteve uma redução da contribuição financeira a ser paga ao bloco. Ao apresentar os resultados ao Parlamento, viu-se na complicada situação de que a oposição conservadora estava satisfeita com a negociação, enquanto os próprios correligionários trabalhistas rejeitavam o acordo.

"Chegou o momento em que cada um de nós e – mais importante ainda – cada eleitor precisa decidir se as metas de nossas renegociações foram atingidas de forma adequada. A maioria dos membros do governo acha que elas foram atingidas. Mas alguns ministros, igualmente respeitados e íntegros, divergem dessa opinião e, por uma decisão extraordinária do gabinete, obtiveram a chance de divulgar sua visão na campanha do plebiscito nacional", declarou Wilson.

Em 5 de junho de 1975, foi realizado o primeiro referendo popular da história do Reino Unido – um plebiscito nacional sobre a permanência na Comunidade Econômica Europeia. O resultado foi surpreendentemente favorável à permanência: 67,2% dos eleitores votaram a favor. Isso, porém, não impediu que Wilson tivesse de renunciar em 1976, sendo substituído por James Callagham.