1961: Começa alternativa ao serviço militar | Os acontecimentos que marcaram o dia de hoje na História | DW | 03.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1961: Começa alternativa ao serviço militar

No dia 3 de abril de 1961, 340 jovens alemães iniciaram o serviço civil, alternativo ao serviço militar obrigatório.

default

Ajudar em hospitais é alternativa ao serviço militar

"Pessoalmente, não vejo sentido nas Forças Armadas. Conversando com amigos sobre uma alternativa ao serviço militar, descobri que existe uma forma de ajudar as pessoas, por exemplo, no transporte de doentes ou no resgate de feridos". A afirmação é de Andreas Soth, que optou de plena consciência por não pegar em armas.

Como ele, cada vez mais jovens buscam uma alternativa ao serviço militar obrigatório e consideram a ajuda ao próximo uma tarefa de complementação pessoal.

Esta liberdade de não prestar o serviço militar obrigatório é prevista na Lei Fundamental alemã, nos seguintes termos: "Ninguém pode ser obrigado contra a sua consciência a pegar em armas no serviço militar". Dieter Hackler, ex-encarregado do governo para assuntos do serviço civil, afirmou que cresce o número dos que optam pelo serviço civil ( Zivildienst).

"Antes, era necessário argumentar com grande veemência; hoje, basta escrever uma carta simples, com palavras claras, expressando sua convicção", diz Hackler. Com a entrada em vigor da Lei Fundamental, a Constituição alemã, em 23 de maio de 1949, passou a existir também a alternativa ao serviço militar, embora as Forças Armadas alemãs ainda nem estivessem constituídas.

Ajuda em asilos e hospitais

Somente a 3 de abril de 1961, 340 jovens puderam iniciar, na prática, a prestação do serviço civil. Em média, 28 a 34% dos jovens optam pela ajuda direta ao próximo, seja em hospitais ou asilos, por exemplo.

As cerca de 180 mil vagas para o serviço civil na Alemanha são oferecidas pela Cruz Vermelha, Caritas e outras instituições de assistência. Em relação a 1961, diminuiu o preconceito na sociedade contra os que alegam questões de consciência para não pegar em armas, como explicou Adolf Krep, ex-presidente do Departamento Federal de Serviço Civil, com sede em Colônia:

Antes criticados como espécie de desertores, hoje gozam de melhor reputação, ainda mais depois de 1983, quando foi criada a oportunidade de optar também por serviços de proteção ao meio ambiente.