1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1924: Transmitido primeiro radioteatro da Alemanha

Em 24 de outubro de 1924, com "'Magia no rádio", estreava na Alemanha um novo gênero: o radioteatro. O rádio alemão produziu cerca de 70 mil peças radiofônicas. Muitas se tornaram clássicos frequentemente reprisados.

Old radio set, video still Altes Radiogerät Radioempfänger Rundfunk Radiosendung

Poder dos sons radiofônicos

Os alemães que já possuíam um aparelho de rádio na época tiveram uma surpresa no dia 24 de outubro de 1924. No lugar do anunciado concerto musical, a onda 467 da emissora de Frankfurt do Meno transmitiu algo completamente diferente: Magia no rádio.

Em vez de música, ouvia-se a voz de um locutor que tenta desesperadamente anunciar a peça a ser apresentada, mas é sempre interrompido: por problemas técnicos, por telefonemas de ouvintes. E por uma mulher que, de repente, surge dentro do estúdio:

– O que é que a senhora quer aqui? Estamos no ar!
– Só dois minutinhos.
– Não!
– Por favor…
– "Dois minutos para uma faladeira? Não! Tirem do ar! Desliguem o microfone!

Locutor, técnicos e diretor da emissora são confrontados com fatos inesperados e inexplicáveis: anarquia no rádio! "Cada um faz o que quer, esta emissora ficou maluca!"

Não se consegue desligar o microfone, portas são abertas, o telefone toca e o diretor ouve música que ninguém mais ouve. Quando se levanta a suspeita de que ele teria enlouquecido, o diretor tenta tirar as coisas a limpo e empunha a arma mais efetiva dos burocratas: "Este incidente", diz ele, "exige comunicação por escrito". A secretária entra na sala.

– Boa noite, doutor.
– Ah, aí está ela. Senhorita, escreva uma ata… Pronta?
– Sim.
– No dia 24 de outubro de 1924, às oito e meia da noite, deveria ter início, como de costume… escreveu?
– "Como de costume…" escrevi, doutor.
– … o Concerto Noturno. Já no início da apresentação…

Mais ou menos na metade da peça de radioteatro, diretor e ouvintes são informados de que não foi a anarquia que tomou conta do rádio, mas sim a fantasia artística. Um mágico, que fora impedido de apresentar os seus truques de magia pelas ondas do rádio, assume a responsabilidade pela confusão:

– Por que não me permitem apresentar meus números de mágica na emissora? Uma magia inocente, feliz, que teria alegrado as pessoas. Eu pedi muito para transformar os ouvintes do rádio em espectadores do rádio, com a força da minha magia. Riram de mim. As pessoas teriam visto todas essas coisas divertidas nas suas válvulas eletrônicas, nos seus receptores! Sim, doutor, visto!

Poder dos sons

A peça radiofônica, ou radioteatro, é uma manifestação artística que busca representar o que não é possível nem no teatro, nem no concerto, nem no cinema. O grande problema do rádio era que não se podia ver nada. Não se podia inserir legendas, nem mostrar cartazes, a fim de deixar claro aos ouvintes que o que escutavam podia ser algo inteiramente diferente do que imaginavam.

Todo locutor sabe como é difícil exprimir ironia quando não é possível recorrer a gestos e mímica. Mas o rádio também pode fazer disso um instrumento de trabalho. Conquistada a atenção do ouvinte, o efeito é então de grande intensidade.

Da mesma forma como o livro é sempre melhor que o filme, o leitor cria na mente todos os lugares citados no romance, a sua fantasia decora tais ambientes com os atributos que considera adequados. Desta maneira, podemos apoderar-nos de algo lido ou ouvido, muito mais que daquilo que nos é simplesmente mostrado ou apresentado. Quem não se recorda de inúmeras decepções ao assistir às versões filmadas de romances lidos com enorme prazer?

Bobagem com futuro

Uma semana após a transmissão do primeiro radioteatro na Alemanha, a revista Radioumschau publicou uma crítica da peça:

"'Que significa essa bobagem?', perguntam-se alguns cidadãos sérios. E a pergunta tem sua razão de ser. Só existe uma resposta para ela. Até agora, o rádio não foi outra coisa além de um canal para as formas artísticas existentes. Mas não seria possível criar, com o rádio, efeitos artísticos que nem o teatro, nem o concerto, nem o cinema estariam em condições de lograr?"

Magia no rádiofoi, sem dúvida, um grande sucesso. Já no ano seguinte, as emissoras alemãs transmitiam 43 horas de radioteatro.

Em 1995, 2.783 horas do horário nacional foram dedicadas ao gênero. É bem verdade que isto significa apenas 0,6% da programação total de rádio alemã. Mas essa estatística também inclui as inúmeras estações que só transmitem comerciais e música, não dispondo de qualquer tipo de programação cultural. Até hoje, as rádios alemãs produziram e apresentaram um total aproximado de 70 mil peças de radioteatro, sendo as de maior sucesso repetidas com regularidade.

Concorrência da TV

Porém a partir da segunda metade do século 20 o rádio ganhou uma poderosa concorrente: a televisão. Afinal, é bem mais fácil não apenas ouvir uma história, mas também assisti-la. Essa tendência pode ser constatada principalmente nos Estados Unidos.

Nas décadas de 30 até 50, eram as emissoras de rádio a apresentarem aos norte-americanos sua soap opera de cada dia: radionovelas acompanhadas com enorme interesse pelas famílias. Essa forma de radioteatro foi também a origem dos seriados de televisão, hoje produzidos em grande número e exportados para todo o mundo, pérolas do entretenimento popular como Dallas, Dinastia, Beverly Hills e tantas outras.

Mas na Alemanha ainda existe o bom e tradicional radioteatro. Ainda que os seus níveis de audiência não sejam os mesmos do passado. E independente do gênero – romance, policial ou crítica social – todas as peças de radioteatro alemãs têm um ancestral comum: a peça Magia no rádio, transmitida pela primeira vez em 24 de outubro de 1924.

Leia mais