1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1918: Proclamada a República da Baviera

No dia 7 de novembro de 1918, o presidente dos sociais-democratas independentes, Kurt Eisner, proclamou em Munique a República do Estado Livre da Baviera.

default

Centro de Munique

A história da República de Munique começou no parque Theresienwiese, onde todos os anos acontece a tradicional Oktoberfest. O SPD – Partido Social-Democrata da Alemanha – e um partido dissidente da ala esquerda, o USPD, convocaram uma manifestação pacifista para 7 de novembro de 1918. Alguns milhares de trabalhadores, soldados e cidadãos seguiram a convocação.

A manifestação transcorria com tranquilidade, mas ainda assim era uma dor de cabeça para o governo bávaro. Desde que tudo começara a indicar a derrota iminente na Primeira Guerra Mundial, havia uma inquietação crescente entre a população.

O chefe do SPD da Baviera, Erhard Auer, assegurara várias vezes ao governo que seu partido estava interessado exclusivamente em reformas pacíficas. Mas havia também o USPD, liderado por Kurt Eisner, um jornalista e intelectual judeu, de barba longa e óculos, não pregava apenas a introdução de reformas, mas sim a revolução.

Na manhã de 7 de novembro, o editor muniquense Karl Alexander von Müller ouviu do seu fornecedor de papel a pergunta: "O senhor já sabe que a revolução vai estourar na tarde de hoje? Fiquei sabendo esta noite, através do maître do Odeon. Eisner vai proclamar a revolução na Theresienwiese."

Preocupado, o editor telefonou para o Ministério do Interior. Mas o chefe da pasta o tranquilizou: "Não se deixe levar por boatos. Faz cinco minutos, o deputado Auer esteve aqui comigo e me disse que Eisner será encostado na parede. E, há uma hora, o ministro da Guerra garantiu mais uma vez que os militares resistirão. Não percam a calma, meus senhores".

Fechenbach deu sinal de partida

Porém, o maître do Odeon sabia mais do que o ministro. Eisner proclamou a revolução. Seu principal assessor, Felix Fechenbach, deu o sinal de partida: "Dou um passo adiante, em uniforme e com a bandeira vermelha na mão, relembrando que soldados estão presos nas casernas. Soldados! Às casernas! Libertemos nossos camaradas! Viva a revolução!".

Os manifestantes marcharam para as casernas mais próximas. De todas as partes, as tropas aderiam aos revolucionários. Em nenhum lugar eles encontraram uma resistência maior. Na maior cervejaria de Munique, a Matthäserbräu, foram constituídos os primeiros conselhos de trabalhadores e de soldados.

À noite, os revolucionários armados já haviam ocupado os principais prédios da cidade. Eisner e os integrantes do Conselho eleito dirigiram-se então para o prédio do Parlamento bávaro. Lá, Kurt Eisner foi designado como primeiro-ministro provisório e proclamou a República.

Às três horas da madrugada, Fechenbach aconselhou ao esgotado Eisner que deitasse para descansar um pouco. Eisner espichou-se no sofá de veludo vermelho do escritório da bancada. Antes de dormir, ele disse a Fechenbach, radiante de felicidade: "Não é algo maravilhoso? Fizemos uma revolução, sem derramar uma gota de sangue! Nunca houve algo assim na história." Na tarde do dia seguinte, Eisner apresentou seu primeiro gabinete ministerial. Em apenas 24 horas, a Baviera havia mudado de monarquia autocrática para uma república de esquerda.

Nos meses seguintes, Kurt Eisner procurou encontrar na Baviera um caminho intermediário entre a democracia parlamentar burguesa, como a que estava sendo adotada por Friedrich Ebert em Berlim, e uma ditadura dos Conselhos, como a que era reivindicada pelos comunistas. Mas o experimento bávaro não durou mais que três meses. No dia 21 de fevereiro de 1919, Kurt Eisner foi assassinado por um radical de direita, seguida de uma guerra civil e o fim sangrento da República dos Conselhos, de linha esquerdista.