1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

11 milhões de crianças morrem desnecessariamente, a cada ano

O Unicef e a OMS organizam em Estocolmo a Conferência Mundial de Saúde Infanto-Juvenil

default

Criança de Costa Rica, foto de Meredith Davenport, vencedora de concurso da Unicef em 2001

Quase 11 milhões de crianças morrem a cada ano, em decorrência de doenças que poderiam ser evitadas ou, pelo menos, tratadas. Pneumonia, disenteria, malária, sarampo, AIDS e subnutrição estão entre as causas principais, segundo o Unicef e a Organização Mundial de Saúde (OMS). Estas informações constam de relatório divulgado nesta terça-feira (12) em Colônia, por ocasião da Conferência Mundial de Saúde Infanto-Juvenil, que se realiza em Estocolmo.

A boa notícia é que a mortalidade infantil retrocedeu nos últimos anos, sobretudo graças ao sucesso de campanhas de combate à poliomielite e de vacinação. Porém, maiores investimentos são imprescindíveis para que esta tendência se mantenha. Se, por exemplo, todas as crianças fossem vacinadas contra o sarampo, isto representaria menos 600 mil mortes por ano. E cada vacina custa apenas 0,26 cents de euro. Já na luta contra a malária, um melhor tratamento e o emprego de redes especiais contra mosquitos poupariam anualmente 900 mil vidas.

O fator decisivo para as chances de sobrevivência são os cuidados e orientação recebidos no lar, nos primeiros anos, declarou a diretora do Unicef, Carol Bellamy: "Precisamos fornecer a pais e orientadores o saber necessário sobre o desenvolvimento físico e mental de suas crianças." É sabido que 90% das mortes infantis ocorre em casa.

Saúde para todos

A diretora-geral da OMS, Gro Harlem Brundtland, explica que o desafio principal para sua organização é auxiliar aos pobres. É preciso garantir o acesso aos cuidados médicos, mesmo nas mais miseráveis favelas e nas aldeias mais isoladas. "Isso significa levar conhecimento e serviços às pessoas, e não esperar que venham a nós", especifica Brundtland. Entre os 11 milhões de vítimas fatais estão oito milhões de bebês, sendo o risco especialmente elevado nas quatro primeiras semanas de vida. A diretora insiste: grande parte desses óbitos seria evitável e as causas tratáveis.

Um outro ponto focal da conferência na capital sueca são os riscos à saúde entre os adolescentes. Os dados da ONU mostram que, a cada ano, 1,5 milhão deles perdem a vida devido a drogas, complicações na gravidez, suicídio, acidentes ou atos de violência. Além disso, quase a metade dos novos casos de infecção com o vírus da AIDS aparece entre jovens.

Links externos