Êxodo migratório da Líbia preocupa União Europeia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Êxodo migratório da Líbia preocupa União Europeia

Número de refugiados em fuga da Líbia chega a 100 mil, segundo estimativas da ONU. Êxodo em massa do país provoca estado de emergência humanitária. Comunidade internacional debate melhor forma de contornar o problema.

default

Sair do país: meta de muitos ao mesmo tempo

Organizações de ajuda humanitária conclamam as autoridades europeias a garantia de maior proteção àqueles que tentam a todo custo escapar da Líbia. "Os refugiados não podem ser rechaçados", afirmam representantes de diversas organizações, ao criticarem diretamente a postura hesitante da União Europeia frente à possibilidade de acolhida daqueles que chegam à ilha de Lampedusa, no sul da Itália.

Responsabilidade de toda a UE

Para os defensores dos direitos humanos, a responsabilidade pelo problema não está somente nas mãos da Itália, mas de todos os países da União Europeia (UE). '"Toda a Europa deveria demonstrar solidariedade para com os refugiados", defende, entre outros, a organização não governamental Pão para o Mundo, para quem a divisão de responsabilidades em questões de concessão ou não de asilo, dentro da UE, deveria ser urgentemente modificada. Outra reivindicação é a ajuda financeira ao Egito e à Tunísia, países vizinhos à Líbia e para onde está fugindo o maior número de refugiados.

O nível de violência na Líbia, estampado na mídia internacional, não deixa dúvidas a respeito da fuga das pessoas da violência. Sendo assim, os imigrantes que deixam o país possuem o direito, baseado na proteção dos direitos humanos, de requerer asilo político em outros países, como é o que acontece em regiões de crise como Somália, Sudão e Eritreia.

Esses refugiados foram, no passado, impedidos pelo regime de Kadafi, com o aval da UE, de seguir viagem rumo à Europa, tendo sido consequentemente detidos em acampamentos, denuncia a organização humanitária.

Nova política

A ex-ministra alemã da Ajuda ao Desenvolvimento, Heidemarie Wieczorek-Zeul, defendeu em Berlim a implementação de uma nova política da UE para refugiados. Segundo ela, a UE levou a cabo uma "camaradagem insuportável" com a Líbia, a fim de manter os refugiados africanos em acampamentos líbios, impedindo-os de chegar à Europa. De acordo com a ex-ministra, é preciso combater as razões pelas quais as pessoas fogem de seus países de origem e não os próprios refugiados.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados divulgou em Genebra que, na última semana, quase 100 mil pessoas fugiram da Líbia devido aos distúrbios no país. A maioria destes se refugiou nos vizinhos Egito e Tunísia. No último sábado (26/02), o governo da Tunísia declarou que 40 mil pessoas haviam atravessado as fronteiras do país desde 20 de fevereiro último.

Nesta madrugada, foi registrada a passagem de mais 10 mil pessoas na fronteira entre Tunísia e Líbia, segundo o Alto Comissariado. Destes 50 mil cidadãos que procuram abrigo na Tunísia, 18 mil são originários do próprio país, 15 mil são egípcios, 2500, líbios, e 2 mil, chineses.

Libyen Evakuierung China Malta Italien Flash-Galerie

Chineses esperam a bordo de balsa em Valletta, Ilha de Malta

O primeiro-ministro da Ilha de Malta, Lawrence Gonzi, afirmou que o país recebeu aproximadamente 8 mil pessoas desde o início da crise na Líbia. Gonzi teme um êxodo maior ainda. "Abrigamos 8 mil pessoas de 89 nacionalidades. Se a situação continuar a escalar, vamos precisar da ajuda da Europa para dividir o peso com nossos parceiros europeus", completou o primeiro-ministro.

A Líbia, um dos maiores produtores de petróleo da África, possui em seu território um grande contingente de trabalhadores estrangeiros, tanto na construção civil quanto em trabalhos domésticos.

Pequim afirmou nesta segunda-feira (28/02) ter evacuado 29 mil trabalhadores chineses da Líbia. Segundo o ministro chinês do Exterior, 2500 chineses já voltaram ao país, enquanto 23 mil ainda se encontram a caminho, tendo sido enviados inicialmente até a Grécia, Malta, Tunísia, Sudão e Emirados Árabes, onde aguardam vôos de volta para casa.

SV/rtr/dpa/epd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais