Áustria sinaliza fim de pacto migratório UE-Turquia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Refugiados

Áustria sinaliza fim de pacto migratório UE-Turquia

Ministro da Defesa austríaco afirma que União Europeia deve se preparar para final de acordo sobre refugiados com Ancara. Político alerta que Turquia está "caminhando diretamente em direção a uma ditadura".

default

Prioridade da UE é conter fluxo de refugiados, diz ministro austríaco

De acordo com o governo austríaco, o acordo fechado entre a União Europeia (UE) e a Turquia para conter o grande afluxo de refugiados em direção ao continente europeu pode estar perto do fim. Em entrevista ao jornal alemão Bild, o ministro da Defesa em Viena, Hans Peter Doskozil, declarou neste sábado (05/11) que o bloco deve se preparar para tal cenário.

"Eu sempre disse que o acordo UE-Turquia só deveria funcionar como uma transição até que a UE fosse capaz de proteger eficazmente suas fronteiras externas, contendo assim o fluxo de refugiados", disse Doskozil ao jornal.

De acordo com o Bild, o ministro social-democrata convidou os colegas de pasta de países da Europa Central para discutir, nesta segunda e terça-feira, a crise migratória, tendo em conta a recente onda de prisões na Turquia.

"Queremos enviar um sinal claro de que estamos nos preparando para que a Turquia rescinda completamente o acordo", declarou Doskozil. Segundo ele, o objetivo prioritário da UE é reduzir o número de refugiados que chegam ao continente.

Há apenas dois dias, o ministro do Exterior turco, Mevlüt Cavusoglu, ameaçou novamente anular o acordo antes do fim do ano se a exigência da isenção de vistos para cidadãos turcos na UE não for atendida em breve.

O ministro austríaco disse ver a Turquia "caminhando diretamente em direção a uma ditadura". Doskozil exortou a liderança política em Ancara a cuidar de seus próprios problemas. "Não vamos mais nos deixar ameaçar", acrescentou.

CA/rtr/dpa/ots

Leia mais