1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Áustria protesta contra exclusão na UE

Os outros oito países que não foram convidados para a cúpula da Alemanha, França e Grã-Bretanha domingo, em Londres, apóiam o protesto de Viena.

O chanceler federal da Áustria, Wolfgang Schüssel, protestou hoje, em Bruxelas, contra a exclusão do seu e de outros países de acertos importantes na União Européia. Um encontro como o de domingo passado, em Londres, é inaceitável, porque contradiz os princípios da comunidade de 15 países, disse o chefe de governo austríaco, depois de conversar com o seu colega da Bélgica e presidente da UE, Guy Verhofstadt. Sua posição tem o apoio de todos os outros oito países da UE que não participaram do encontro de cúpula da Grã-Bretanha, França e Alemanha, em Londres. O presidente da Comissão Européia, Romano Prodi, que já tinha protestado contra a minicúpula, também solidarizou-se com Schüssel.

Em Londres, além do anfitrião Tony Blair, reuniram-se primeiramente só o chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, e o presidente francês, Jacques Chirac, para discutir questões atuais, como a participação de seus países na luta dos Estados Unidos contra as bases do terrorismo no Afeganistão. Depois de fortes pressões, o primeiro-ministro britânico convidou a Itália, Espanha, Holanda e representantes da UE. Os líderes das três maiores potências européias (britânica, alemã e francesa) já tinham gerado protestos e ciumeiras na última conferência de cúpula da UE, porque tiveram um encontro paralelo.

Schüssel criticou duramente as duas conferências exclusivas dos grandes. "Nós queremos e temos que ser um time", disse o premier austríaco, que já amargou um ostracismo de quase um ano logo depois que assumiu o poder. Por causa da participação do partido do radical de direita Jörg Haider em seu governo, os outros 14 parceiros na UE suspenderam suas relações bilaterais com a Áustria. O chefe de governo austríaco esclareceu que, além do apoio militar dos três grandes à luta antiterror dos Estados Unidos, do qual ele disse não ter nada contra, foram discutidas em Londres questões de interesse da UE, como os preparativos para o futuro do Afeganistão, ajuda humanitária aos afegãos e o conflito no Oriente Médio.

O chanceler austríaco exigiu para todos os membros da UE o direito de opinar sobre esses problemas. "Todos os países-membros têm os mesmos direitos e devem ser tratados em pé de igualdade", disse ele, acrescentando que a comunidade não precisa de pequenos nem de grandes círculos. Schüssel esclareceu que, ao contrário de outros chefes de governo, como o italiano Silvio Berlusconi e o belga Verhofstadt, não se esforçou para ser convidado por Blair para o encontro de domingo à noite. Ele espera que Alemanha, França e Grã-Bretanha não voltem a promover um encontro paralelo na próxima conferência de cúpula da UE em meados de dezembro.