Áustria desiste de controles na fronteira com Itália | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Áustria desiste de controles na fronteira com Itália

Com diminuição de fluxo migratório vindo da Itália, Viena dispensa controle em passagem fronteiriça nos Alpes. Roma deslocou cem policiais para barrar viagem de migrantes ao país vizinho.

A Áustria desistiu nesta sexta-feira (13/05) de retomar, por enquanto, os polêmicos controles na fronteira com a Itália, após Roma conseguir reduzir o número de migrantes em direção ao país. Viena ameaçou reintroduzir a medida no Passo do Brennero para conter o fluxo migratório.

"O número de migrantes ilegais caiu para quase zero nas últimas semanas. Por isso, não é mais necessário retomar os controles no Passo do Brennero agora", disse o ministro austríaco do Interior, Wolfgang Sobotka.

O ministro afirmou que o reforço de controles em trens realizado por autoridades italianas, austríacas e alemães contribuiu para essa redução. Roma deslocou cem policiais adicionais para barrar a viagem de migrantes em direção à Áustria.

Um porta-voz do ministério austríaco do Interior disse, no entanto, que, como precaução, preparações para futuros controles continuam sendo realizadas.

O Passo do Brennero é o ponto de travessia mais importante dos Alpes para o trânsito de bens de grande volume. Viena ameaçou ainda construir uma cerca na região para conter o fluxo migratório.

O anúncio da retomada dos controles fronteiriços no local causou violentos protestos na região e tensões diplomáticas. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, classificou a proposta como uma "catástrofe política" para a Europa.

Diante das restrições fronteiriças em toda a chamada rota balcânica, Viena acredita que a chegada de migrantes à Itália por via marítima vai quase dobrar neste ano, subindo para 300 mil, e teme que grande parte desses se desloque para países do norte da Europa.

CN/afp/rtr

Leia mais