Árvore ameaçada de extinção ajuda no tratamento de problemas cardíacos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 24.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Árvore ameaçada de extinção ajuda no tratamento de problemas cardíacos

Muito conhecido por sua toxicidade, o teixo também pode ajudar a salvar vidas. Uma substância retirada da árvore, originária das regiões de clima temperado, vem contribuindo para o tratamento das doenças do coração.

default

O teixo: mortal e eficaz no combate a algumas doenças do coração

Desde a antiguidade, o teixo é conhecido por suas propriedades tóxicas. A árvore, originária das regiões de clima temperado, como a Europa, possui substâncias venenosas em todas as suas partes verdes, o que a torna perigosa tanto para os seres humanos quanto para os animais.

Entretanto, mesmo que essa característica seja a mais difundida, a planta também ajuda no combate a algumas enfermidades. Estudos realizados em vários países demonstram que o paclitaxel, medicamento sintetizado do taxol, tem obtido bons resultados em pacientes com doenças coronarianas.

O paclitaxel é uma substância extraída da casca do teixo do Pacífico ( taxus brevifolia ). Como os poucos exemplares da espécie existentes não podem cobrir a demanda mundial, a substância passou a ser retirada também do teixo europeu ( taxus baccata )

Atualmente, porém, a árvore está na lista das espécies ameaçadas na Alemanha e outros países europeus, principalmente por causa do aproveitamento de sua madeira durante a Idade Média.

Uso médico

O cardiologista e professor da Universidade de Tübingen Christian Herdeg é um dos que reitera a eficácia do remédio. Nos últimos 15 anos, ele verificou – juntamente com outros pesquisadores – os bons resultados do paclitaxel no reparo das artérias do coração obstruídas e na conservação, a longo prazo, do livre fluxo sanguíneo.

O método mais usado, hoje, para fazer esta desobstrução é o stent – pequeno tubo implantado na artéria, com o objetivo de segurar as paredes internas e permitir o funcionamento normal.

Apesar de ser menos evasivo, um dos tipos de stent – o não medicamentoso – apresenta uma desvantagem: nos seis primeiros meses após o implante é comum o surgimento da reestenose.

O problema caracteriza-se por um novo bloqueio da artéria ocasionado pelo aparecimento de cicatrizes no local do procedimento. Foi por isso que se propagou a utilização dos " stents farmacológicos" – associação do suporte mecânico do stent com a liberação local e controlada de medicamentos.

Mesmo que não seja indicado a todas as pessoas com doenças coronarianas pela necessidade de serem atendidos alguns critérios médicos, a incidência da reestenose caiu nas pessoas em que foi implantada a órtese (prótese interna) associada ao paclitaxel. Este resultado foi observado por Herdeg num dos estudos realizados por ele em Tübingen a partir de 2005 e do qual participaram mais de 200 pacientes.

Doenças contras as quais o remédio ajuda

A aterosclerose – espessamento e endurecimento das artérias provocado, entre outros fatores, pelo depósito de gordura – é uma das enfermidades em que o uso do paclitaxel pode ser positivo.

Quando a obstrução atinge níveis muito severos, a pessoa passa a sentir fortes dores no peito e nas costas, acompanhadas pela dificuldade de respirar, um mal conhecido pelo nome de angina pectoris .

De acordo com os pesquisadores de Tübingen, o remédio diminui a ocorrência da reestenose e, como consequência, das fortes dores no peito provocadas pela obstrução. Conforme Herdeg, a associação do paclitaxel com o stent reduz até mesmo a necessidade da cirurgia do bypass (neste caso, a da ponte de safena ou cirurgia de revascularização do músculo cardíaco).

Stent Kardiologie Gefäßverengung

O stent é implantado na artéria para desobstruí-la

Autora: Judith Hartl/Caroline Eidt

Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais