1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ártico atinge maior temperatura desde 1900

Temperatura na região registrou 1,3ºC acima da média e, como resultado, a extensão da cobertura de gelo foi a menor, e o derretimento começou mais cedo. Situação ameaça animais como as morsas.

A temperatura do ar no Ártico registrou 1,3ºC acima da média, a mais elevada dos últimos 115 anos, afirma um relatório divulgado pela agência meteorológica americana (NOAA).

"O aquecimento do Ártico ocorre praticamente ao dobro da velocidade em comparação a qualquer outro lugar do mundo", afirma Richard Spinrad, cientista-chefe da NOAA, ao apresentar na terça-feira (15/12) o relatório em São Francisco, nos EUA.

A camada de gelo na região atingiu sua área máxima em 2015 em 25 de fevereiro, duas semanas mais cedo do que o habitual. A extensão foi a mais baixa desde que os registros começaram a ser feitos, em 1979.

De acordo com os cientistas, a composição da cobertura de gelo mudou ao longo dos anos. Em 1985, 20% do gelo eram mais velhos que quatro anos, e 35% de um ano de idade. Já em 2015, essa relação ficou em 3% e 70%, respectivamente.

Segundo pesquisadores, o gelo mais antigo tende a ser mais espesso. O gelo mais fino e mais jovem é mais propenso a derreter no verão, o que resulta numa menor extensão. "Nós sabemos que isso acontece por causa das mudanças climáticas", afirma Richard Spinrad.

Isso também gera um impacto sobre a vida marinha: em 2015, houve uma proliferação extraordinária de algas. E, os peixes que normalmente se estabeleciam mais ao sul, agora chegam às águas do Ártico e se tornaram os novos inimigos de outros pequenos peixes da região.

A situação é especialmente complicada para mamíferos como as morsas. Segundo o relatório, o derretimento da cobertura de gelo é a maior ameaça para esses animais, que geralmente usam esse habitat como refúgio, acasalamento, para dar à luz seus filhotes, encontrar comida e se abrigar de tempestades e predadores. Nos últimos anos, porém, as morsas estão sendo forçadas a se deslocar para outras terras, como o noroeste do Alasca.

Isso torna difícil a procura por comida, já que os lugares com muitas presas não são mais acessíveis a partir dos campos de gelo. De acordo com o relatório, há superlotação das áreas costeiras, o que leva a um pânico em massa e ao esmagamento de filhotes.

FC/afp/ap/lusa

Leia mais