1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futurando!

Áreas tecnológicas lideram procura por bolsas do programa Ciência sem Fronteiras

Desde que foi criado, em 2011, o programa do governo federal já concedeu mais de 19 mil bolsas a estudantes brasileiros no exterior e quer chegar a 101 mil.

A trajetória dos familiares sempre despertou a atenção do estudante Eduardo Azzolini Volnistem pela Alemanha. Natural de Presidente Prudente (SP), hoje ele é um dos bolsistas do Programa Ciências Sem Fronteiras, na Universidade de Munster. A oportunidade de estudar no exterior tem atraído cada vez mais o interesse dos brasileiros pelo programa.

Desde que foi criado, em 2011, até março deste ano, quando foi feita a última atualização de dados, foram concedidas 19.601 bolsas a estudantes brasileiros no exterior. A maior parte delas (14.256) é destinada à graduação sanduíche, modalidade de ensino superior em que o estudante realiza parte dos seus estudos em uma instituição estrangeira. Engenharia e as áreas tecnológicas lideram a distribuição de bolsas (7.573).

Os números indicam que depois da graduação sanduíche, as demandas se distribuem entre o doutorado sanduíche (3.060), o pós-doutorado (1.662) e o doutorado completo no exterior (621).

"A meta é conceder 101 mil bolsas até 2015. Depois, o governo federal vai decidir se vai dar continuidade ao programa", explica a analista integrante da Coordenação de Ações Internacionais do programa Ciência sem Fronteiras, Lisandra Santos.

ACHTUNG QUALITÄT Universität von Sao Paulo Campus für Ingenieurwissenschaft

USP foi a universidade que mais mandou estudantes para o exterior pelo novo programa de bolsas

Dados do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), responsável pelo programa em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), mostram que a Universidade de São Paulo (USP) é a campeã de distribuição de bolsas por instituição de origem.

A busca pela qualificação profissional e a experiência de viver fora do país são motivações para quem ingressa no programa. Mas viver uma cultura diferente também pode proporcionar estranhamentos e dificuldades de adaptação. "No início, a língua era um problema, mesmo com um pequeno conhecimento anterior demorei um pouco para começar a me comunicar", conta o estudante Eduardo Volnistem, que está na Universidade de Münster há três meses.

No caso de bolsistas brasileiros na Alemanha, o Ministério das Relações Exteriores preparou um guia em que aborda questões referentes à adaptação. O manual é categórico: "manter a mente aberta é pré-requisito para experiências mais ricas". O guia reconhece ainda que momentos difíceis, saudade e cansaço são normais, "mas quanto maior o obstáculo, maior o orgulho de tê-lo superado", destaca. Mais do que o conhecimento teórico obtido, a ampliação da visão de mundo é considerada um dos principais ganhos da experiência no exterior.

"Até o momento, além do principal objetivo, que é o conhecimento na minha área, a língua e a convivência com outra cultura foram os principais aprendizados", reconhece Volnistem.

Países mais procurados

Diversas instituições de ensino contemplam as parcerias feitas pelo programa Ciência sem Fronteiras. De acordo com o CNPq, os Estados Unidos são o país mais procurado, com 4.383 bolsistas (incluindo todas as modalidades de bolsas). Na sequência, aparecem Portugal, França, Espanha e Canadá.

"A língua é um grande empecilho. Até recentemente a grande procura era por Portugal e Espanha, justamente porque a maioria dos candidatos da graduação sanduíche não tinham a proficiência em inglês", explica Santos.

Segundo ela, para vencer essa dificuldade, o MEC estabeleceu através da Capes uma parceria com um instituto de inglês para oferecer cursos online gratuitos. A ideia é qualificar os candidatos e prepará-los para as chamadas públicas.

Integrierte Industrie: Computermodell

Programa tem a meta de incentivar o setor de ciência, tecnologia, inovação e competitividade industrial

Sobre o programa

Para se inscrever, é preciso ficar atento às chamadas públicas divulgadas pelo CNPq ou pela Capes, no portal do programa (link abaixo). O Ciência sem Fronteiras contempla as seguinte áreas:

  • Engenharias e demais áreas tecnológicas;
  • Ciências Exatas e da Terra;
  • Biologia, Ciências Biomédicas e da Saúde;
  • Computação e Tecnologias da Informação;
  • Tecnologia Aeroespacial;
  • Fármacos;
  • Produção Agrícola Sustentável;
  • Petróleo, Gás e Carvão Mineral;
  • Energias Renováveis;
  • Tecnologia Mineral;
  • Biotecnologia;
  • Nanotecnologia e Novos Materiais;
  • Tecnologias de Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais;
  • Biodiversidade e Bioprospecção;
  • Ciências do Mar;
  • Indústria Criativa (voltada a desenvolvimento tecnológico e inovação);
  • Novas Tecnologias de Engenharia Construtiva;
  • Formação de Tecnólogos.

Entre os requisitos básicos para o candidato de graduação estão: ter nacionalidade brasileira, ter cumprido no mínimo dois semestres no curso de graduação habilitado, apresentar nota mínima de 79 no exame de proficiência em inglês TOEFL iBT Test e assumir o compromisso de permanecer no Brasil pelo dobro do período em que esteve no exterior como bolsista.