1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Árabes vêem modernização ocidental com desconfiança

Joschka Fischer insistiu em maior engajamento dos países do Golfo Pérsico contra o terrorismo e na estabilização do Iraque. Governos regionais vêem iniciativa ocidental de modernização dos países árabes com desconfiança.

default

Chegada de Joschka Fischer (dir.) a Dubai

"Uma voz árabe forte é necessária para co-determinar as condições políticas básicas do século 21", afirmou o ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, em conversa com o sultão Qaboos bin Said, do Omã, nesta terça-feira (22/6). Além da capital omani Mascate, o ministro esteve também em Dubai e Abu Dhabi. A visita ao Omã encerrou a sua viagem de três dias ao Golfo Pérsico.

Nos Emirados Árabes Unidos e no Omã, Fischer conclamou a um engajamento maior e papel ativo dos dois países para garantir a estabilidade e a segurança na região. Um motivo de grande preocupação para o governo alemão é a escalada do terrorismo na vizinha Arábia Saudita e no Iraque.

Estabilidade do Iraque

Em Abu Dhabi, o ministro alemão insistiu na necessidade de os países árabes abertos às reformas, como é o caso dos Emirados Árabes Unidos, fazerem valer sua influência para evitar uma completa desestabilização do Iraque. "Ninguém pode ter interesse numa guerra civil iraquiana", afirmou Fischer. A seu ver, os fatores mais importantes para estabilizar aquele país são a transferência do poder aos iraquianos, além da realização de eleições.

Joschka Fischer expressou também a sua profunda preocupação com o atual desenvolvimento político na Arábia Saudita, após a decapitação de um americano por parte de terroristas da Al Qaeda. "Temos de cooperar muito estreitamente na luta contra o terrorismo", afirmou. A segurança da Europa também depende da segurança nos países árabes.

Os Emirados Árabes Unidos apóiam a reivindicação da Alemanha por um mandato permanente no Conselho de Segurança da ONU. A Alemanha reassumiria assim o seu "papel natural" nas relações internacionais, afirmou o vice-ministro de Relações Exteriores dos Emirados, Abdullah Raschid.

Modernização

A liderança política dos Emirados Árabes Unidos mostrou-se reservada em relação ao apoio de Fischer à iniciativa ocidental de modernização dos países árabes. Segundo Raschid, "democracia e direitos humanos não podem ser impostos de fora, mas têm de vir de dentro da própria sociedade".

Para o ministro alemão, a iniciativa para o Oriente Médio tem por objetivo uma verdadeira parceria. Mas admitiu existir a desconfiança de que as reformas "sejam implantadas de fora". O exemplo dos modernos países do Golfo, com a sua economia florescente, demonstra que existe um caminho positivo para que o mundo árabe participe da globalização.

Pena de morte

No Omã, última estação da sua viagem, Joschka Fischer intercedeu em favor de uma cidadã alemã, ameaçada de condenação à morte. Em conversa com o sultão Qaboos bin Said, o ministro alemão das Relações Exteriores manifestou a sua confiança na Justiça do Omã e ressaltou que a Alemanha rechaça basicamente a condenação à morte e a execução dos condenados.

Dana G., fisioterapeuta alemã de 29 anos, natural de Chemnitz, transferiu-se para o sultanato há cerca de dois anos, depois de se apaixonar por um cidadão do Omã. No final do ano passado, ela recebeu ali a visita de seu pai. Pouco dias depois de sua chegada, ele foi abatido a tiros em plena rua. Tudo indicava tratar-se de um atentado terrorista.

Seu corpo foi cremado e as cinzas trazidas pela filha para serem sepultadas na Alemanha. Ao retornar ao Omã, Dana G. foi presa sob a acusação de ser a mandante da morte do pai. As autoridades do sultanato basearam-se na confissão, depois desmentida, de um dos autores dos disparos. A sentença é esperada para o dia 17 de julho.

Leia mais