1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Água alemã descobre o mundo

Durante muito tempo, as empresas alemãs de água e esgotos só atuaram no mercado interno. Agora, começam a descobrir os mercados internacionais. A água é tema do Fórum Mundial a partir deste domingo no Japão.

default

A água vale dólares não só no mercado internacional

A água é um dos mais importantes recursos naturais da Terra. Estudos recentes prevêem um enorme crescimento do consumo privado de água em futuro próximo. Pois muitos domicílios ainda não são abastecidos nos países em desenvolvimento: um total de 1,3 bilhão de pessoas em todo o mundo não dispõe de água potável canalizada.

Esta lacuna no abastecimento deverá ser fechada nos próximos dez anos. Isto é, pelo menos, o que ficou acertado durante a conferência mundial de meio ambiente da ONU, ano passado em Joanesburgo. A meta é sensacional e o mercado potencial que se abre para o seu cumprimento é cobiçado por empresas de todos os países. Também os conglomerados alemães querem conquistar uma fatia desse mercado.

Europa Oriental e China

Durante muito tempo, as empresas alemãs de águas e esgotos estiveram praticamente fora do mercado internacional. Somente os grandes conglomerados como RWE e E.ON é que investiram no Exterior. Agora, porém, também as empresas menores estão descobrindo as possibilidades oferecidas em nível mundial. Cerca de uma dúzia de firmas do setor já está atuando fora da Alemanha.

Um exemplo disto é a Berlinwasser, que se engaja na área de águas e esgotos na Europa central e oriental: por exemplo, na Polônia, Hungria e Albânia. Outro centro prioritário da atuação da empresa no Exterior é a China. Segundo o presidente da Berlinwasser, Dieter Ernst, vale a pena investir no mercado chinês, pois o governo de Pequim quer atingir a médio prazo um nível de 40% no tratamento do esgoto urbano.

Dieter Ernst: "Nos próximos dois anos, vamos construir uma estação de tratamento de esgoto na capital regional Nanchan e temos a concessão para operá-la durante vinte anos. O projeto envolve um volume de investimentos da ordem de 35 milhões de euros."

Mercado interno saturado

No passado, a atuação das empresas alemãs de água e esgoto restringia-se aos suprimentos regionais no país. Mas os mercados nacionais estão entretanto saturados. As empresas buscam, por isto, novos campos de atuação. E, nos mercados internacionais, o setor do abastecimento de água é tido como um negócio de grande futuro.

Os especialistas da área calculam que o faturamento das empresas do setor deverá quadruplicar até o ano de 2010. O volume potencial dos negócios com água e esgoto no mercado mundial é avaliado em torno de 600 bilhões de dólares anuais. E as empresas alemãs também querem conquistar uma fatia desse mercado.

Existe, contudo, um problema: a enorme fragmentação da oferta alemã num grande número de empresas de pequeno porte. Dieter Ernst esclarece: "Na Alemanha, temos 7 mil firmas de abastecimento de água e 10 mil empresas de tratamento de esgoto. Na França, existem cinco. Na Inglaterra, dez ou onze. Com isto, as empresas de lá têm estrutura e porte inteiramente distintos. E isto é uma condição prévia para os negócios internacionais. É preciso ter um determinado tamanho, flexibilidade e capacidade financeira, para que se possa obter êxito internacional."

As chances alemãs

Apesar disto, a Federação das Empresas de Gás e Água (BGW) vê boas chances para as firmas da Alemanha nos mercados internacionais. Pois os alemães podem ter sucesso, a seu ver, com a sua tecnologia específica, principalmente no que concerne à cooperação com autoridades locais, permitindo soluções voltadas para a preservação dos recursos naturais.

Ulrich Oehmichen, perito na área de abastecimento de água da BGW, afirma: "O know-how alemão se caracteriza pelo fato de que nós respeitamos determinados princípios: entre outras coisas, a cooperação com os municípios locais quando se trata de tomar decisões estratégicas, além da preocupação de oferecer um serviço sustentável e inócuo ao meio ambiente."

Leia mais