1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição na Alemanha

Às vésperas da eleição, vantagem da coalizão de Merkel segue estreita

Pesquisa aponta liderança apertada para atual governo. Mas chanceler tem opção de se aliar a social-democratas e continuar no cargo, repetindo aliança do primeiro mandato. Oposição tem pouca chance de formar governo.

Nas vésperas das eleições parlamentares alemãs, os partidos que sustentam a coalizão de governo apresentam uma vantagem apertada em relação às forças oposicionistas nas últimas sondagens. A chanceler federal alemã, Angela Merkel, entretanto, tem a opção de se aliar aos social-democratas (SPD), repetindo a coalizão de seu primeiro mandato.

Uma pesquisa publicada na noite de quinta-feira (19/09) pela rede pública de televisão ZDF aponta que democrata-cristãos (CDU) e liberais (FDP) somariam 45,5% dos votos, enquanto os social-democratas, verdes e os socialistas (A Esquerda) obteriam, juntos, apenas um ponto percentual a menos. A pesquisa foi realizada pelo instituto Forschungsgruppe Wahlen, com 1.369 eleitores, entre 18 e 19 de setembro.

Em comparação com a semana anterior, os democrata-cristãos (CDU e sua aliada bávara, CSU) permanecem com 40%, enquanto seu parceiro de coalizão, o FDP, perdeu meio ponto, indo a 5,5%.

O SPD ganhou um ponto percentual, com 27%, enquanto os verdes perderam dois, com 9%. Os socialistas do A Esquerda tem 8,5%, meio ponto a mais que na semana anterior. O partido eurocético Alternativa para a Alemanha (AfD) continua com 4%.

Alternativas

Analistas não veem uma maioria definida para nenhum dos campos políticos, considerando a margem de erro estatística, de cerca de três pontos para mais ou para menos. Entretanto, um governo de oposição, unindo social-democratas e verdes, é uma opção praticamente descartada, já que os dois partidos não obteriam votos suficientes, considerando os resultados das pesquisas.

FDP Fahnen Flyer

Material de campanha do FDP: temendo ficar de fora do Parlamento, partido tenta seduzir clientela democrata-cristã

Já uma aliança entre social-democratas, verdes e A Esquerda tem sido veementemente descartada pelo SPD. A possibilidade de uma aliança entre social-democratas, verdes e liberais, por sua vez, tem sido repetidamente rejeitada pelo FDP, enquanto uma coalizão entre os verdes e os conservadores de Merkel também não faz parte dos planos dos políticos ambientalistas.

Caso os eurocéticos do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), que apresentam 4% nas últimas pesquisas, obtenham os necessários 5% para entrar no Parlamento, a coalizão liberal-conservadora dificilmente consegue obter a maioria para governar. Mas os democrata-cristãos, assim como os outros partidos, rejeitam uma cooperação com a AfD.

Grande coalizão

Merkel tem como prioridade a continuação de sua aliança com os liberais. Mas caso não consiga votos suficientes para isso, pode optar por se aliar aos social-democratas, conseguindo uma maioria folgada de assentos no Parlamento e repetindo a aliança que sustentou seu primeiro mandato, entre 2005 e 2009. Esta, aliás, é a opção preferida pelo eleitorado alemão, conforme atestam os levantamentos mais recentes.

O perigo de que o FDP não obtenha os 5% para entrar no Bundestag ainda existe, como ocorreu nas eleições regionais na Baviera, realizadas do domingo. No estado, os democrata-cristãos obtiveram maioria suficiente para governar sozinhos, enquanto os liberais do FDP ficaram de fora do legislativo local, amargando um fiasco nas urnas, ao receber apenas 3,3% dos votos.

Pensando nisso, os liberais têm feito campanha a nível nacional com objetivo de angariar votos de tradicionais eleitores democrata-cristãos. Merkel e seus correligionários, entretanto, rejeitam essa estratégia, apelando para que seus partidários não "emprestem voto" aos liberais.

Os conservadores de Merkel querem colher o maior número de votos possível, para estarem fortes o suficiente em relação aos social-democratas, caso uma chamada "grande coalizão" se mostre inevitável após a abertura das urnas.

Leia mais