Zimbabué: Norte-americana detida por alegados insultos a Mugabe no Twitter | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Zimbabué: Norte-americana detida por alegados insultos a Mugabe no Twitter

Martha O'Donovan é acusada de subversão por alegadamente ter descrito Robert Mugabe na rede social Twitter como um "homem doente". A ofensa pode levar até 20 anos de prisão.

Uma cidadã norte-americana foi detida nesta sexta-feira (03.11) pela polícia do Zimbabué por alegadamente ter insultado o Presidente do país, Robert Mugabe. 

Os advogados da jovem de 25 anos afirmam que a ação é ilegal porque a polícia não explicou os motivos para a detenção quando Martha O'Donovan foi retirada da sua casa, na capital, Harare, na manhã de sexta-feira. O oficial de justiça, responsável pela operação, foi questionado em tribunal. 

O'Donovan é acusada de veicular uma publicação na rede social Twitter em que descrevia Mugabe, de 93 anos, como um "homem doente". A publicação terá incluído uma ilustração do chefe de Estado zimbabueano com um cateter. 

A detenção por subversão pode durar até 20 anos de prisão. O'Donovan também é acusada de minar a autoridade e insultar o Presidente. Por sua vez, a cidadã norte-americana diz que as alegações são "sem fundamento e mal-intencionadas".

Ativista dos média

Tweet US-Amerikaner in Simbabwe wegen Beleidigung von Präsident Mugabe verhaftet

Publicação dos Advogados do Zimbabué para os Direitos Humanos no Twitter, esta sexta-feira: "Obey Shava está na Esquadra Central da Polícia, em Harare, a representar Martha O'Donovan, detida por insultar Mugabe no Twitter".

A cidadã dos Estados Unidos, formada pela Universidade de Nova Iorque, apresenta-se como gestora da Magamba TV, além de "ativista dos média". No início deste ano, apresentou uma palestra numa conferência de cultura digital com o título "Como os zimbabueanos se rebelam online".

A organização Advogados do Zimbabué para os Direitos Humanos afirma que representa atualmente mais de 200 pessoas que se encontram nas mesmas circunstâncias da cidadã norte-americana. Todas são acusadas de insultos a Robert Mugabe, que é considerado o chefe de Estado há mais tempo no poder nas últimas décadas.

"Esta detenção marca o início de um novo e assustador capítulo para a liberdade de expressão no Zimbabué. O campo de batalha, agora, são as redes sociais", disse o membro da Amnistia Internacional Muleya Mwananyanda. Segundo a organização de defesa dos direitos humanos, as autoridades do Zimbabué já seguiam as publicações da cidadã norte-americana no Twitter.

"Novo ministro"

Em outubro, Mugabe nomeou um novo ministro para a Cibersegurança, medida criticada por ativistas, que consideram a decisão como mais um meio para calar os comentários da população nas redes sociais. 

No ano passado, o Zimbabué foi abalado pela maior onda protestos contra o Governo. A frustração está a crescer à medida que a economia colapsa. Ainda assim, o Presidente Robert Mugabe, no poder desde 1980, candidata-se às próximas eleições, previstas para 2018.

Leia mais