1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Vigílias por ativistas vão continuar em Angola apesar da repressão

Organizadores das contestações pela liberdade dos 15 jovens detidos desde junho dizem que as vigílias terão continuidade, apesar da intimidação da polícia angolana. Em Luanda, três ativistas foram espancados numa missa.

Apesar da intimidação e da repressão por parte da polícia angolana, vão continuar as manifestações para exigir o fim das prisões dos

15 ativistas

detidos desde junho, asseguram os organizadores das iniciativas.

Na segunda-feira (12.10), a igreja católica de São Domingos, em Luanda, foi invadida por polícias, enquanto decorria uma missa de acção de graças a favor dos presos políticos, acusados de rebelião e de preparação de um atentado contra o Presidente José Eduardo dos Santos.

Lacerda da Costa Van-dunem, uma das organizadoras da contestação e da missa, diz que a ameaça do Governo não a intimida e que a luta não terminou. "Nós vamos continuar e não vamos ficar por aqui até porque não nos sentimos intimidados com as ameaças do Governo", diz.

Além de impedir a realização da vigília, a polícia deteve o padre que celebrava a missa e espancou três ativistas que se encontravam dentro da igreja. Adolfo Campos, Mário Faustino e Baixa de Cassange chegaram a ser detidos, mas já foram libertados.

William Tonet Angola Afrika Journalist

Jornalista e jurista William Tonet

Em declarações à DW África, o jornalista e jurista William Tonet disse ser "algo indescritível" o que se viveu na igreja de São Domingos. "Numa simples homília, as pessoas estavam a rezar pelos presos políticos detidos injustamente e, de repente, sentiu-se uma invasão da polícia. O foco foi algumas pessoas ligadas ao movimento de contestação", disse.

Este incidente surge depois da forte mobilização policial já observada no domingo (11.10), na Igreja Sagrada Família, também na capital angolana. Mais de cem pessoas estavam concentradas no local para exigir a libertação dos detidos e condenar a insensibilidade do Governo no caso do ativista

Luaty Beirão

, em greve de fome há três semanas e cujo estado de saúde continua a inspirar cuidados.

Com receio da polícia, dos canhões de água e dos cães, os participantes acabaram por sair da igreja. Segundo analistas próximos do regime, tratava-se de uma "vigília ilegal".

Violência gera indignação

A acção da polícia está a gerar uma onda de indignação. Um padre católico publicou um vídeo no Youtube a condenar os recentes acontecimentos. "Estou aqui para deplorar a acção da polícia na igreja de São Domingos. Com esta atitude a única coisa que o Governo consegue é descredibilizar as instituições do Estado. A igreja é um espaço de oração, de paz. É um espaço onde as pessoas reflectem sobre a vida", afirma.

Ouvir o áudio 02:26

Vigílias por ativistas vão continuar em Angola apesar da repressão

Para o jornalista William Tonet, a polícia conseguiu fazer na segunda-feira o que não fez no domingo: derramamento de sangue. "No domingo, a polícia não conseguiu fazer verter sangue. Na segunda-feira, já o conseguiu. As pessoas foram depois libertadas, mas isto demonstra infelizmente a natureza perversa do regime, mostra que não estamos numa democracia", diz.

Apesar da onda de intimidação, William Tonet ressalta que "quanto mais há ditadura mais há força para resistência."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados