1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Vida volta à normalidade em Nampula

Em Nampula-Rapale, na província nortenha de Nampula, Moçambique, a população regressa às suas zonas de origem e às suas atividades diárias depois da crise militar. E pedem aos governantes empenho nas negociações.

default

Populares em Nampula, Moçambique

As comunidades de Muthipa, Navevene, Napome e Caramaja, no posto administrativo de Mutivasse, distrito de Nampula-Rapale, já estão a regressar às suas casas.

Nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2013, viviam com receio dos confrontos militares entre os homens da RENAMO, o maior partido da oposição, e o exército governamental. Por causa disso, elas refugiaram-se na sede do distrito e capital provincial de Nampula.

Alguns camponeses já voltaram a cultivar as suas machambas e outros pedem sementes e instrumentos agrícolas para iniciarem a campanha da segunda época agrícola.

Segundo o residente Manuel Mário, graças à atividade de sensibilização do Governo local, os habitantes conseguiram voltar às suas zonas de origem e retomar a produção agrícola, já sem medo dos homens da RENAMO. "Estamos a viver normalmente e pedimos ao Governo que nos ajude, estamos a viver livremente e não há problema nenhum", apela.

Carlos Evaristo, outro habitante de Mutivaze, disse que as matas que serviam de esconderijo aos guerrilheiros da RENAMO estão a ser transformadas em campos de produção.

Populares querem mais empenho nas negociações

O habitante de Mutivaze, entretanto, quer mais do que isso: "Pedimos ao Governo que ajude a população toda e gostariamos que reforcassem o diálogo, porque o país está a desenvolver, está no bom caminho e cada um já sabe o que procura."

Bildergalerie Mosambik Abbau Rohstoffe

Nampulenses na luta pelo líquido precioso

Carlos Evaristo conta também que naquele local há uma habitação pertencente a um membro da RENAMO, que servia de esconderijo aos homens armados do partido. O homem da RENAMO encontra-se agora em lugar incerto.

Apesar da situação estar tranquila a campanha agrícola foi afetada, como conta Evaristo. "Está-se a produzir, mas haverá problemas por causa do tempo, a limpeza das machambas foi entre outubro e novembro e agora é tempo de limpar e não de semear, mas alguns já estão a semear por ver que se atrasaram."

Mas nem essa situação desanima Evaristo. "Está tudo a correr normalmente, o que mais se queria era estarmos tranquilos", desabafa.

Manuel Mário e Carlos Evaristo pedem ao Governo de Moçambique e às autoridades policiais que façam patrulhas e vigilância aos homens da RENAMO que por ventura possam tentar destruir as suas machambas e habitações que conseguiram reerguer após os ataques. "Estamos a viver normalmente e pedimos ao Governo que nos ajude, estamos a viver livremente e não há problema nenhum", afirmam.

De acordo com o administrador de Nampula-Rapale, Armindo Gove, o distrito pode ser um dos fornecedores de produtos agrícolas e outros bens valiosos, devido às riquezas e potencialidades de que dispõe. Mas sustenta que isso passa necessariamente pela consolidação de um clima de harmonia social.

Bildergalerie Mosambik Abbau Rohstoffe

Uma escola primária em Moma

Sinais de tranquilidade

Para o governante, há três tipos de governantes: uns que produzem e fazem as coisas acontecerem, outros que se limitam apenas a assistir e outros ainda que não produzem e nem sequer deixam que os outros produzam.

Armindo Gove conta como está a ser o regresso a normalidade na região: "As populações regressaram as suas zonas de origem estão a tentar inserir-se na atividades em curso no distrito, nomeadamente na campanha agrícola 2013/2014."

As eleições gerais estão à porta. Facto que, segundo o admnistrador, tem a ver com a reinserção das atividades da população. "Estão a inserir-se no processo de realização das eleições-gerais e os jovens estão a recensear-se no serviço militar", precisa.

Muitas escolas estiveram encerradas durante os confrontos, prejudicando as crianças. Mas Armindo Gove garante que a situação está ultrapassada. "Por exemplo, a escola que estava fechada em Navevene por causa dos confrontos reabriu as portas, o ano letivo começou e as crianças de Navevene estão a estudar", exemplifica.

De acordo com jornal “Nova Era”, editado na cidade de Nampula, na região de Mutivasse, a população já realiza atividades culturais na calada da noite, o que não acontecia desde os três últimos meses do ano passado.

O posto administrativo de Mutivaze, distrito de Nampula-Rapale, situado ao longo do corredor de Nacala, conta com mais de 15 mil habitantes, de acordo com o censo geral de 2007.

Ouvir o áudio 03:46

Vida volta à normalidade em Nampula

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados