Vício do jogo ameaça jovens africanos | NOTÍCIAS | DW | 17.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Vício do jogo ameaça jovens africanos

Em Acra, capital do Gana, casas de jogos e apostas atraem jovens em busca da "sorte grande". No Quénia, aplicação facilita acesso ao jogo. Psicólogo diz que jovens africanos adquirem o vício devido ao desespero.

Nima, um dos maiores bairros de Acra, a capital do Gana, é famoso pelas suas casas de jogo e apostas. Muitos jovens faltam às aulas na esperança que lhes saia a sorte grande.

Há dois anos que Baba Seidu, de 19 anos, investe tudo o que tem no jogo. Diz que um dia experimentou e ganhou logo tanto dinheiro que imediatamente quis ganhar mais. Também Idrisu Musa, de 20 anos, é viciado no jogo. Tudo começou quando via um jogo de futebol na companhia de amigos.

"Todos disseram que eu devia apostar também. Às vezes, ajudo o meu pai no trabalho e ele dá-me um pouco de dinheiro. Aposto tudo. Perdi mais vezes do que ganhei," relata o jovem.

Strassenszene in Nima Accra (Stefanie Duckstein)

O bairro de Nima, na cpital do Gana

Apostar em um clic

Hoje em dia já não é preciso ir à casa de jogos entregar a aposta. Basta ter acesso à internet. No Quénia, existe mesmo uma aplicação que facilita o jogo. A app "Sportpesa" tem um milhão de utentes que apostam através dos telemóveis.

O operador da app factura cerca de 40 milhões de euros por ano. Mas o negócio corre igualmente de feição para as casas de aposta do Gana. O vício estende-se às máquinas do jogo. Estas são produzidas em massa na China e vendidas ao desbarato em África. Chegam a custar à volta de apenas 100 euros, o que permite a aquisição até por pequenos empresários nos bairros pobres.

Os jogadores podem tentar a sorte por menos de um euro. O vício do jogo deixou de ser uma prerrogativa dos ricos. O propiretário de uma casa de apostas em Accra, no Gana, que pediu o anonimato, admitiu à DW que muitos alunos apostam o dinheiro que levam para almoçar, e até aquele destinado às propinas.

Movidos pelo desespero

O psicólogo Joseh Osafo da Universidade do Gana, em Acra, defende que "existem muitos factores que influenciam este tipo de comportamento. No Gana, a pior influência é a pobreza na qual vive a juventude. Trata-se de encontrar maneira de se precaver contra a ameaça à sobrevivência".

Ouvir o áudio 03:18
Ao vivo agora
03:18 min

Vício do jogo ameaça jovens africanos

Os jovens gastam o dinheiro ganho não apenas em roupa e comida, mas também em drogas, diz o psicólogo, que acrescenta que muitos acreditam que ter muito dinheiro significa ter sucesso na vida, uma percepção a que Osafo chama de superficial.

O Gana está entre os países de rendimento médio. Mas muitos jovens não vêem perspectivas futuras. O Banco Mundial diz que 11,5% dos ganeses entre os 15 e 24 anos de idade estão desempregados. Muitas vezes é o desespero que os leva por um caminho que promete a riqueza instantânea. Isto apesar de o Gana ter leis severas que regulam o jogo, aliás interdito a menores.

Mas, muitas vezes, as leis não passam do papel. O psicólogo Osofo diz que é necessária uma campanha de esclarecimento sobre o vício não apenas direccionada aos jovens, mas também aos seus pais.

"Se olharmos para o jogo como vício, é óbvio que os jovens precisam de apoio psicológico. É o mesmo que estar viciado em drogas e álcool. Quando se perde controlo sobre o próprio comportamento, chegou a altura de pedir ajuda," avalia.

Assistir ao vídeo 03:53
Ao vivo agora
03:53 min

A luta de Honório Fragata contra o alcoolismo em Cabo Verde

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados