1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

UNITA fala em eleições sem "observadores credíveis" em Angola

Líder da UNITA critica pretextos do Governo angolano para impedir envio de alguns observadores. Mas ex-primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, garante que missão da União Africana atuará de forma equilibrada.

default

Isaías Samakuva, presidente da UNITA

O presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Isaías Samakuva, considera que as eleições gerais de Angola, a 23 de agosto, vão decorrer sem "observadores credíveis".

"Os observadores, primeiro que tudo, não são suficientes. Não foi permitido que viessem. O Governo utilizou expedientes vários para impedir observadores. Eu peço desculpas a todos os outros, mas na verdade - para nós - observadores credíveis não vieram", disse Samakuva.

O líder do maior patido da oposição deu como exemplo as dificuldades no acesso a autorizações para a entrada de observadores, convidados pelos partidos, em Angola. Já a União Europeia enviará apenas quatro peritos, alegando ter recebido demasiado tarde o convite da Comissão Nacional Eleitoral para formar uma missão de observadores e não ter chegado a acordo com o Governo sobre as condições em que eles iriam atuar.

Ouvir o áudio 02:51

UNITA: Eleições sem "observadores credíveis" em Angola

Observadores de Cabo Verde

As declarações acontecem numa altura em que os observadores cabo-verdianos partem para Luanda. Serão pelo menos quatro: O antigo Presidente cabo-verdiano, Pedro Pires, vai estar em Angola a convite do Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, o ex-Primeiro-ministro José Maria Neves, chefia a missão de observadores da União Africana e os vice-presidentes do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Rui Semedo e João Baptista Pereira, vão estar em Luanda a convite das autoridades angolanas.

Questionado pela Rádio de Cabo Verde sobre as denúncias da oposição angolana à possibilidade de fraudes, Rui Semedo respondeu diplomaticamente, dizendo que PAICV não se envolve nos assuntos internos de Angola. "O nosso papel é de acompanhar as eleições que auguramos que sejam muito participadas envolvendo todos os angolanos, que sejam eleições justas, livres e transparentes", afirmou.

Porträt José Maria Neves

José Maria Neves, ex-primeiro-ministro de Cabo Verde

Na mesma linha, o antigo primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves, que chefia a missão de observadores da União Africana (UA), garantiu que sua equipa atuará de forma equilibrada. "Analisaremos todos os dados e agiremos com muita correção e equilíbrio e depois apresentaremos os dados que se mostrarem pertinentes", declarou José Maria Neves. Esta é a primeira missão de observação eleitoral que o cabo-verdiano chefia depois de ter saído do Governo há 16 meses.

O antigo primeiro-ministro de Cabo Verde vê o convite da UA como um reconhecimento à democracia cabo-verdiana. "Temos um Estado de direito democrático que funciona onde os direitos, as liberdades e as garantias dos cidadãos são afirmados todos os dias e são realizados também quotidianamente", sustenta Maria Neves. "Cabo Verde é uma referência em termos de realização de eleições em termos de alternância democrática", conclui.

A missão de observadores da UA às eleições gerais angolanas será composta por mais de 40 pessoas, e chega a Luanda a 17 de agosto, devendo deixar o país dez dias depois.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados