1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

UNITA exige transparência total nas eleições gerais de 2017 em Angola

Isaias Samakuva, Presidente da UNITA, pede transparência em todo o processo na realização das eleições gerais de 2017 em Angola, que devem ser livres e justas.

default

Isaías Samakuva

Isaías Samakuva, líder da UNITA, principal partido da oposição, alerta os angolanos e a comunidade internacional face à pretensão de se criar uma nova base de dados do registo eleitoral, sob a custódia do Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos.

Contra as fraudes detetadas nas três eleições antecedentes, Samakuva disse recentemente em Lisboa que a transparência no próximo ato eleitoral é fundamental para a estabilidade no país.

Angolanos cansados de aceitar fraudes

"Os angolanos estão cansados e não vão aceitar novas fraudes nas eleições gerais de 2017", altura em que termina o mandato do Presidente José Eduardo dos Santos. A advertência é de Isaias Samakuva, na sua recente passagem por Lisboa, onde proferiu uma comunicação no Parlamento português sobre “Transparência Eleitoral”.

O presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) fez o aviso, depois de apresentar um conjunto de exemplos daquilo a que chamou de “flagelo de fraudes eleitorais”, ocorrido nas eleições de 1992, 2008 e 2012. Samakuva sublinhou que o principal partido da oposição aceitou os resultados em nome da paz e da estabilidade.

UNITA Flagge auf einer Kundgebung in Huambo in Angola

Comício da UNITA no Huambo em fevereiro de 2014

Em declarações à DW África, à margem da conferência organizada por um grupo de deputados portugueses, Samakuva insistiu na realização das eleições autárquicas e que se ponha fim, desde já, às violações dos processos eleitorais. “A forma como se pretende aprovar a lei dos registos eleitorais viola claramente a Constituição de Angola. E nós estaremos permanentemente a denunciar isso e a exigir que a verdade, a justiça e o Estado de direito sejam repostos também nesses casos”.

Paz em Angola será preservada

O líder do principal partido da oposição critica as manobras do atual regime angolano visando a sua manutenção no poder através de processos eleitorais viciados, e afirma que a UNITA vai trabalhar afincadamente para que as próximas eleições gerais decorram à luz da transparência, de modo a não pôr em perigo todo o esforço para a manutenção da paz em Angola.

“É verdade que do nosso ponto de vista as eleições fazem parte de um processo que está agora a começar com a proposta de lei sobre o registo eleitoral pelo que temos de tomar medidas relativas ao processo eleitoral agora”.

Contrariamente ao que aconteceu em 2012, Isaias Samakuva exige a presença de observadores internacionais para fiscalizar todo o processo eleitoral. “Os observadores de um lado atuam como dissuasores mas do outro lado fiscalizam o próprio processo e podem chamar a atenção quem esteja a previdicar para que reponha o que está estabelecido na lei”.

Ouvir o áudio 02:51

UNITA exige transparência total nas eleições gerais de 2017 em Angola

O presidente da UNITA lamenta o facto de os cidadãos nacionais radicados no estrangeiro não poderem votar nas próximas eleições. A proposta de lei em debate no Parlamento visa excluir mais uma vez os angolanos na diáspora, o que contraria os princípios estabelecidos na própria Constituição. Por isso, Samakuva reafirma o esforço do partido do Galo Negro para que isso não venha a acontecer num futuro próximo.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados