1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

UNITA exige comissão de inquérito parlamentar sobre mortes no Huambo

A UNITA diz que mais de duas centenas de pessoas foram massacradas pelas forças angolanas de defesa e segurança. O principal partido da oposição pediu esta terça-feira a abertura de um inquérito parlamentar sobre o caso.

O maior partido da oposição em Angola, a UNITA, diz que mais de duas centenas de pessoas terão sido massacradas na passada quinta-feira (16.04) pelas forças de defesa e segurança angolanas enviadas para a região de Sume na província do Huambo. As mortes terão ocorrido na sequência de confrontos entre a polícia e seguidores da seita "Igreja do Sétimo Dia a Luz do Mundo".

Em entrevista à DW África, Isaías Samakuva, presidente da UNITA, anunciou que uma delegação parlamentar do seu movimento está prestes a deslocar-se àquela região para recolher dados no local. Além disso, a UNITA solicitou à Assembleia Nacional a abertura urgente de um inquérito parlamentar aos confrontos entre a polícia e os fiéis da seita liderada por José Julino Kalupeteka. O pedido foi feito na sessão parlamentar desta terça-feira (21.04) maioritariamente dedicada ao caso.

DW África: Qual é a primeira medida que a UNITA tomou face às acusações feitas pelo MPLA?

Isaías Samakuva: Nós constituímos uma delegação de membros da direção do partido que vão para o Huambo exatamente para verificar o que se passou. Vamos aguardar pelo resultado da missão.

Polizei löst Demonstration in Lubango auf

A UNITA diz que confrontos entre a polícia angolana e a seita "Kalupeteka" causaram a morte de centenas de pessoas

DW África: O MPLA e o governo de Angola já apontaram o dedo à UNITA. Qual é a resposta do seu movimento?

IS: Há um comunicado da UNITA que refuta categoricamente qualquer ligação com esta seita. Pelo contrário, no comunicado a UNITA diz ter dados – ligações – do dirigente desta seita com responsáveis do governo. Há mesmo uma fotografia que a Televisão Pública de Angola (TPA) está a passar, em que aparece o responsável máximo do MPLA no município onde os eventos se passaram, ao lado desta seita, num serviço dito religioso da mesma.

De uma forma velada, quiseram apresentar material de propaganda com símbolos da UNITA na televisão, fazendo ligações da suposta presença de material de propaganda no local onde esse senhor fazia o seu serviço ou onde ele residia. Para nós isso foi uma montagem, porque aliás as televisões do país passaram em direto a localidade quando as forças policiais lá chegaram, filmando inclusive o interior da casa desse senhor [Kalupeteka] e durante a transmissão televisiva não apareceu nenhum vestígio de qualquer partido politico. Só mais tarde, nessa noite, é que apareceram camisolas, alguns chapéus, símbolos da UNITA novinhos – portanto que aparentavam nunca terem sido usados – portanto a nós tudo isso pareceu montagem.

DW África: A UNITA está a dizer que é uma informação imbuída de má fé?

IS: É exactamente isso que diz o nosso comunicado. Não faz sentido: nós até nos perguntamos porque é que há esta prática do lado dos nossos irmãos do MPLA, de procurar a autoria da UNITA em tudo o que é mau. Alguém até dizia, para ver como é que essas coisas são e como os cidadãos levam a brincadeira dos nossos irmãos do MPLA, que só faltava agora atribuir à UNITA a culpa das enxurradas do Lobito que mataram dezenas de angolanos.

DW África: A UNITA já tem o número exacto de mortos nessa região do Huambo?

Ouvir o áudio 04:46

UNITA exige comissão de inquérito parlamentar sobre mortes no Huambo

IS: Relatos de pessoas que dizem ter vivido os acontecimentos mencionam a morte de muitos e muitos angolanos – falam mesmo em centenas. Mas é por isso mesmo que o nosso grupo parlamentar tem orientações para solicitar um inquérito parlamentar, porque nós não queremos viver de boatos e relatos de cidadãos. Há a necessidade de se apurar a verdade e as autoridades deviam permitir um inquérito imparcial, inclusivamente fazendo constar na composição do inquérito também membros da sociedade civil e de organizações não-governamentais exactamente para os angolanos saberem o que realmente se passou.

DW África: Dizem que a região está completamente cercada pela polícia. Será que a delegação parlamentar da UNITA vai ter acesso à região?

IS: Não sabemos. Se não há nada a esconder, as tropas que estão aí deviam servir de proteção para os que vão verificar no terreno aquilo que se passou. Quem não deve, não teme e por conseguinte o cerco deve existir também como uma proteção a quem vai com responsabilidade verificar o que se passou.

DW África: Está no Parlamento esta terça-feira para ser aprovada a nova Lei do Registo Eleitoral. A posição da UNITA é bem clara – é contra a lei, correcto?

IS: A posição da UNITA é contra e de protesto face a estas violações constantes. Por isso mesmo o nosso grupo parlamentar terá, certamente com o apoio dos outros grupos parlamentares na oposição, tomado uma posição de protesto, não só de votar contra mas de protestar veementemente face às violações da Constituição.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados