1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

UNITA é acusada de censurar Rádio Despertar em Angola

Os jornalistas queixam-se de pressões no seio da emissora que é também acusada de emitir noticiários focados em informações sobre o principal partido da oposição angolana e de não dar espaço a outros partidos.

Segundo observadores, os métodos de censura e interferência de que o MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), no poder, é constantemente acusado de utilizar na imprensa pública e nalgumas órgãos privados, são igualmente aplicados pela UNITA (União Nacional para a Independência Total de Angola) na Rádio Despertar. Esta emissora comercial está afeta a um grupo empresarial maioritariamente detido por acionistas que representam a UNITA, o maior partido da oposição em Angola.

A título de exemplo, cerca de 80% dos 30 minutos de noticiário dizem respeito informações relacionadas com atividades da UNITA. O Governo do MPLA e os restantes partidos da oposição praticamente não têm espaço naquela emissora.

Alguns jornalistas daquela rádio, que falaram à DW África na condição de anonimato, admitiram que sofrem pressões frequentemente, principalmente no decurso de reuniões, onde são constantemente reafirmadas ideias como: a Rádio Despertar é da UNITA, o patrão é a UNITA, quem paga o salário é a UNITA e quem não estiver de acordo com a linha editorial que abandone a rádio.

Rádio Despertar não é modelo em democracia, segundo jornalistas

Na opinião de João Marcos, jornalista do semanário A Capital, “a prestação da Rádio Despertar não serve de modelo” de um meio comprometido com a democracia e com o interesse público, pois “há uma forte carga partidária naquilo que é informação”, acrescenta.

Angola Rohstoffe

A Rádio Despertar não dá tempo de antena a outros partidos senão a UNITA, presidida por Isaías Samakuva

Em vez disso, o jornalista entende que “a Rádio Despertar, que tem criticado vezes sem conta a prestação dos colegas afetos aos órgãos públicos, devia marcar a diferença, pautando-se pelo princípio do equilíbrio, que infelizmente não se tem observado”.

Na mesma perspectiva, Constantino Eduardo, jornalista do jornal Manchete, defende que a estação “deve servir a nação, o interesse coletivo e não o interesse que satisfaça mais a própria direção do partido mentor da Rádio Despertar, a UNITA, em detrimento de outros partidos”.

Perante este cenário e ainda que a UNITA se afirme como “um partido com ideais assentes na democracia”, há “uma incógnita” quando se coloca em cima da mesa a hipótese de, no futuro, a UNITA chegar ao poder, avalia João Marcos.

Ouvir o áudio 02:59

UNITA é acusada de censurar Rádio Despertar em Angola

“A comunicação social é um ramo que tem grande importância na democratização, na consolidação de um processo democrático”, pelo que “nada garante que, se amanhã o quadro político vier a sofrer alguma alteração, vamos ter órgãos públicos ao serviço da democracia, do interesse público, o que não se vê atualmente”, afirma o jornalista do semanário A Capital.

A DW África procurou ouvir, sem sucesso, o diretor da Rádio Despertar, Emanuel Malaquias, e o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados