1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

União Africana promete "tomar conta da matéria" na Guiné-Bissau

Uma missão do Conselho de Paz e Segurança da União Africana visitou a Guiné-Bissau e deixou um aviso: caso a crise política não seja resolvida internamente, a União Africana poderá assumir as rédeas.

Após a

visita à Guiné-Bissau do Conselho de Segurança

das Nações Unidas, no início de março, foi a vez de uma missão do Conselho de Paz e Segurança da União Africana (UA) ir até ao país. A visita durou cinco dias. Foi deixado um aviso: a UA poderá assumir as rédeas da situação, se necessário.

Massaxi Guey, chefe da delegação, deixou claro que não quis interferir nos esforços da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) para pôr fim à crise política.

Guinea-Bissau Domingos Simões Pereira José Mário Vaz

Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, reunido com José Mário Vaz, Presidente da Guiné-Bissau

"Esta missão já deveria ter vindo à Guiné-Bissau desde 2014 para evitar a duplicação de esforços. Como sabem, a CEDEAO esteve aqui presente com o [ex-Presidente da Nigéria, Olesegun] Obasanjo, mas subordina-se à União Africana. Portanto, agora é a própria União Africana que vai tomar conta da matéria. E posso garantir-vos que é sério", garantiu o representante da UA.

Mas Guey sublinhou que o impasse político deve, primeiro que tudo, ser resolvido internamente: "É a Guiné-Bissau que tem de resolver os seus problemas", disse Guey.

A missão deverá entregar à União Africana um relatório sobre a crise política na Guiné-Bissau até 29 de março.

"A solução tem de ser dos guineenses"

Em reação, Domingos Simões Pereira, presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), referiu que sempre defendeu uma solução interna para a resolução da crise guineense.

Para o líder do partido no poder, nem a UA, nem a CEDEAO ou mesmo as Nações Unidas vão resolver os problemas da Guiné-Bissau - estas organizações poderiam ajudar na obtenção de consensos. "Mantemos, contudo, a nossa disponibilidade para, através do diálogo, facilitarmos os compromissos possíveis. A solução tem de ser dos guineenses e tem de ser feita por nós próprios e pelas nossas instituições", declarou.

Ouvir o áudio 02:31

União Africana promete "tomar conta da matéria" na Guiné-Bissau

Agnelo Regala, líder da União para a Mudança (UM), avisa que é preciso deixar o partido vencedor das legislativas de 2014 cumprir o mandato: "Quem efetivamente ganhou as eleições deve governar".

Por sua vez, e em nome das organizações da sociedade civil, o padre Keilândio Djaguité defende que a solução passa pelo consenso entre os guineenses na base de um verdadeiro diálogo, que se paute pela verdade, e do "respeito" pelas institituições.

A crise política prevalece no país. As partes em litígio aguardam pela resposta dos tribunais aos recursos apresentados sobre a perda de mandato no Parlamento de 15 deputados que foram expulsos do PAIGC.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados